DHTML Menu By Milonic JavaScript

Português » Espiritualidade » Peregrinações & Retiros » Peregrinação na Terra Santa em 2000 » Unidade e Reconciliação »

Unidade e Reconciliação

 

por Pe. Vasile Axinia (Ortodoxo)

(No último minuto, devido a doença, Pe. Axinia não pôde comparecer à conferência. Ele já havia preparado sua palestra e Vassula a leu para a conferência.)

Devido ao contexto histórico, social e ético de cada povo, a atitude ecumênica da Ortodoxia varia de um país para o outro, de uma Igreja para a outra. No entanto, existem alguns critérios comuns resultantes do contacto permanente com as Igrejas irmãs no que diz respeito ao ecumenismo.

A Igreja Ortodoxa já entrou no movimento ecumênico de forma irreversível. A teologia ortodoxa sempre enfatizou a necessidade de alcançar a unidade no cristianismo com base na Revelação Divina encontrada na Sagrada Escritura.

A Ortodoxia, como membro do Conselho Mundial de Igrejas de Genebra, contribuiu significativamente para o movimento ecumênico fundado na Santíssima Trindade, isto é, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A ortodoxia sempre sustentou que a unidade das igrejas pode ser encontrada somente no amor em Cristo, entre as pessoas e na reconciliação das Igrejas sustentadas pela unidade da Santíssima Trindade.

A Restauração da unidade visível das Igrejas cristãs tem sido uma preocupação constante com a Ortodoxia. Neste contexto, lembremos apenas a encíclica do Patriarca Ecumênico Joaquim III de 30 de maio de 1902, bem como a encíclica sinodal do mesmo patriarcado de 18 de maio de 1921.

No texto seguinte, vou apresentar brevemente a questão da unidade e da reconciliação, e estou convencido de que os outros irmãos e irmãs em Cristo, aqui presentes, compartilham a mesma visão sobre esses dois assuntos. Vou insistir um pouco sobre um evento único na história bimilenária da Igreja Ortodoxa da Romênia, ou seja, a primeira visita de um Papa polonês a uma Igreja Ortodoxa irmã no Espírito de unidade e reconciliação.

A fé cristã mostra que a Igreja de Cristo é uma só. Nosso Senhor Jesus Cristo enfatizou sua unidade com seus Apóstolos: "Pai, quero que, onde eu estou, estejam comigo aqueles que me deste". (João 17,24).

A unidade no Espírito Santo é recomendada por São Paulo para que a paz ea unidade dentro da Igreja possam ser alcançadas. "Fazei tudo o que puderdes para preservar a unidade do Espírito pela paz que vos une" (Efésios 4,3) ... Portanto, a unidade da Igreja é preservada enquanto a unidade do Espírito é preservada. O resultado desta unidade é uma fé única. Deus oferece dons aos fiéis na Igreja, tendo em vista a unidade da fé: "Na Igreja, Deus constituiu primeiramente os apóstolos, em segundo lugar os profetas, em terceiro lugar os doutores, depois os que têm o dom dos milagres, o dom de curar, de socorrer, de governar, de falar diversas línguas". (I Coríntios 12,28-29).

Unidade da fé é a garantia da presença de Cristo na Igreja. Os atributos da Igreja de Cristo são: Una, Santa, Católica - que a Ortodoxia traduz como soborny - e Apostólica.

A unidade da Igreja de Cristo fundamenta-se na comunhão da plenitude, porque a eclesiologia ortodoxa é trinitária; É também uma teologia da comunhão da Igreja que pode ser definida como um mistério da comunhão da Santíssima Trindade no mundo.

De acordo com Efésios 4,5-6: "Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. 6.Há um só Deus e Pai de todos, que atua acima de todos, por todos e em todos." A Revelação Divina assegura a unidade da fé e a salvação dos fiéis: "Ninguém pode vir a mim a menos que seja atraído pelo Pai que me enviou" (João 6,44).

Os Santos Sacramentos são necessários para a salvação humana e há unidade de carisma entre fé e sacramentos; Quando se recebe o sacramento do Batismo, torna-se membro do corpo místico de Cristo e da Igreja.

Em todos os textos da Sagrada Escritura encontramos uma unidade de amor entre todos os fiéis que receberam o batismo, bem como uma união de amor com Deus. O amor de Deus e o amor das pessoas se complementam um ao outro e conduzem à unidade, pois, como diz São Paulo em I Coríntios 13: "A caridade jamais acabará" ... O Novo Testamento também fala claramente da unidade da Santíssima Trindade: "O Pai e eu somos um" (João 10,30). "O Advogado, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, ensinar-vos-á tudo e lembrará tudo quanto vos tenho dito" (João 14,26) e da unidade da fé e da Igreja: "Pois, como em um só corpo temos muitos membros e cada um dos nossos membros tem diferente função, 5.assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro."(Romanos 12, 4-5).

 

RECONCILIAÇÃO

 

No Novo Testamento, a palavra é usada no sentido religioso de reconciliação do homem com Deus através de Jesus Cristo: "Estamos cheios de alegre confiança em Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, através do qual já alcançamos a reconciliação" (Romanos 5,11). ). "Tudo isso vem de Deus, que nos reconciliou consigo, por Cristo, e nos confiou o ministério desta reconciliação." (II Coríntios 5,18) "... unir ambos em um só corpo e reconciliá-los com Deus. Ele mesmo matou a hostilidade "(Efésios 2,16)" e todas as coisas devem ser reconciliadas por ele e para ele, tudo no céu e tudo na terra, quando fez a paz pela sua morte na cruz "(Colossenses 1,20).

A reconciliação é inteiramente a obra de Deus e é considerada como uma nova criação transmitida através do batismo: "Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova." (Romanos 6,4) "Porque é Deus que, em Cristo, reconciliava consigo o mundo, não levando mais em conta os pecados dos homens, e pôs em nossos lábios a mensagem da reconciliação." (II Coríntios 5,19).

Por seu sangue, nosso Senhor Jesus Cristo reconciliou a humanidade com Deus e trouxe paz a todo o universo: "Porque, se de sua rejeição resultou a reconciliação do mundo, qual será o efeito de sua reintegração, senão uma ressurreição dentre os mortos?". (Romanos 11,15).

A reconciliação seria transmitida através dos séculos a todos os povos através da sua Igreja, seus servos, os bispos, os sacerdotes e os fiéis. De volta ao presente, as duas igrejas irmãs, Católica Romana e Ortodoxa, depois da divisão de 1054, trabalharam para a reconciliação.

Para a Igreja Ortodoxa, o problema do diálogo e da reconciliação foi levantado especialmente depois da Segunda Guerra Mundial, no âmbito do Conselho Mundial de Igrejas, mas na Conferência de Rodes em 1961 e em outros que se realizaram desde então, as duas Igrejas Católica Romana e Ortodoxa, decidiram promover relações no espírito ecumênico no amor de Cristo.

O Concílio Vaticano II afirmou pela primeira vez a autoridade do colégio episcopal e decidiu iniciar um diálogo teológico entre as duas Igrejas irmãs em pé de igualdade. Posteriormente, em janeiro de 1964, o Patriarca Ecumênico de Constantinopla encontrou o Papa Paulo VI em Jerusalém. Então, em 7 de dezembro de 1965, nas catedrais São Jorge em Constantinopla e São Pedro em Roma, os anátemas recíprocos de 1054 foram levantados simultaneamente. Em 1967, o Papa Paulo VI eo Patriarca Atenágoras de Constantinopla reuniram-se no Phanar (sede do Patriarcado Ecumênico em Istambul) e, em seguida, o Patriarca Atenágoras visitou Roma. Em 28 de agosto de 1968, em Chambly, Suíça, uma Comissão Ortodoxa foi formada para iniciar o diálogo com a Igreja de Roma. Ao mesmo tempo, foram criadas comissões paralelas para preparar o diálogo entre as Igrejas irmãs. O Papa João Paulo II visitou o Patriarcado de Constantinopla e uma declaração conjunta foi assinada "não só em vista do progresso para restabelecer a plena comunhão entre as igrejas católica e ortodoxa, mas também em vista da contribuição dos diálogos para a sua unidade '(L'Osservatore Romano N / 49, dJc, 1979).

Em dezembro de 1987, o Patriarca Ecumênico visitou Roma. Um dos destaques do encontro foi a leitura do Credo Niceno sem o Filioque. O atual Patriarca de Constantinopla, Sua Santidade Bartolomeu I, visitou Roma em julho de 1995.

Quanto às relações entre a Igreja Ortodoxa da Romênia e a Igreja Católica Romana, elas têm sido excelentes ao longo dos anos. Mas de 7 a 9 de maio de 1999 foi a primeira vez desde 1054 que um Papa de Roma estava visitando um país principalmente ortodoxo.

A visita ocorreu sob o signo da obra do Espírito Santo. O encontro foi um gesto histórico de reconciliação. Permita-me citar alguns trechos das declarações oficiais dos líderes espirituais de ambas as Igrejas:

"Quero expressar minha especial gratidão a Sua Beatitude Patriarca Teoctista", disse Sua Santidade o Papa João Paulo II, "pelas expressões fraternas que tão gentilmente me dirigiu e pelo seu amável convite para visitar a Igreja Ortodoxa da Romênia, É a primeira vez que a Divina Providência me oferece a oportunidade de dedicar uma visita apostólica a uma nação principalmente ortodoxa, o que não poderia ter acontecido sem a disponibilidade fraterna do Santo Sínodo e da Venerável Igreja Ortodoxa da Romênia.

Não posso, neste momento histórico, omitir mencionar a visita de Vossa Beatitude ao Vaticano há dez anos, que demonstrou um firme desejo de estabelecer livremente relações eclesiásticas amigáveis em benefício dos membros de ambas as Igrejas. Estou convencido de que a minha visita a Bucareste contribuirá para a cura das feridas nas relações entre as nossas Igrejas e dará origem a uma cooperação mútua e confiante.


Vossa Beatitude, irmãos bispos, devolvamos a unidade visível à Igreja ... Procurei a unidade com todas as minhas forças, e continuarei a dar-me completamente até que se torne uma das principais preocupações das Igrejas e seja apoiada pelo trabalho apóstólico... Este desejo de cooperação fraterna, sustentado pela oração e pela estima e respeito mútuos, deve ser apoiado e promovido porque a paz se constrói enquanto o conflito destrói. Em nome desta grande inspiração ecumênica, apelo a todos os crentes em Cristo que vivem na Romênia. Cheguei a vós inspirados apenas pelo desejo de verdadeira unidade e vontade de exercer o ministério de Pedro, que me foi confiado por Deus, entre irmãos e irmãs na mesma fé. É meu sincero desejo que a oração de Jesus na Última Ceia "para que sejam um como nós" (João 17,11) nunca deixe de estar viva em seus corações ".

O Santo Padre pronunciou a maior parte de seus discursos em romeno e chamou o solo romeno "o jardim da Santíssima Virgem" uma expressão que caracterizou a nação romana ortodoxa há muito tempo por causa de sua fé apostólica em Cristo, já que o Santo Apóstolo André pregou O Evangelho sobre o território romeno há 2000 anos atrás.

Por sua vez, Sua Beatitude Teoctist, Patriarca da Igreja Ortodoxa Romena, dirigiu-se a Sua Santidade João Paulo II, primado da Igreja Católica Romana:

"Vossa Santidade, é nossa convicção que nosso Senhor Jesus Cristo está entre nós e o encontro de hoje é a vontade do Pai e obra do Espírito Santo. Esperamos que a visita de Sua Santidade seja uma exortação positiva para o diálogo que começou Entre a Igreja Ortodoxa Romena e a Igreja Greco-Católica da Roménia, porque a nossa Igreja hoje tem uma grande responsabilidade para com a renovação moral e espiritual da sociedade romena. Com relação às Igrejas e denominações cristãs na Romênia, retomamos a prática de conferências teológicas interdenominacionais; e quanto ao ecumenismo queremos trazer ao movimento ecumênico a experiência da nossa missão particular: toda a Igreja local goza de carismas específicos: a simbiose entre a nossa língua, de origem latina e a fé ortodoxa, que provém da identidade da nossa Igreja, constituiu uma forte ligação entre o Ocidente e o Oriente. O carisma e a responsabilidade da Igreja Ortodoxa Romena com a Igreja Ortodoxa Universal tem sido a de manter e testemunhar ao longo da história "a fé que foi confiada aos santos de uma vez por todas" (Jude 1.3), tal como se concretizou na tradição patrística e na confissão dogmática dos Sínodos Ecumênicos através do consenso da Igreja Universal. É por isso que estamos convencidos de que as energias da Igreja devem estar voltadas para o trabalho missionário e ecumênico comum.

Santidade, hoje é um momento santo onde nos encontramos juntos diante de Deus, diante do mundo, perante a história e diante das pessoas. Pensamos que todas as Igrejas cristãs devem concentrar todas as suas energias na obra da salvação do homem, porque o mundo de hoje tem mais necessidade do que nunca de Deus e Sua Divina Graça.

 

Agradeço-vos, em nome da Igreja Ortodoxa Romena, pela vossa presença na Santa Liturgia Ortodoxa, pela qual manifestais tanto apreço na vossa carta pastoral Orientale Lumen ".

A visita de Sua Santidade João Paulo II à Romênia tem sido considerada muito favoravelmente por todos os membros do Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa da Romênia. A opinião mais interessante foi a do Arcebispo de Cluj, Sua Eminência Bartolomeu, que disse: "A cristandade está dando seu primeiro grande passo em direção à norma do primeiro milênio".

No final de sua visita, Sua Santidade o Papa João Paulo II convidou Sua Beatitude Patriarca Teoctist para visitar Roma. O convite foi aceito com prazer. O povo romeno mostrou grande alegria por ocasião da visita do Papa a Bucareste. Ortodoxos, Católicos e Protestantes participaram neste grande evento com grandes esperanças de reconciliação, porque a Igreja Ortodoxa Romena conseguiu nesta ocasião apresentar a imagem da reconciliação em Cristo.

A visita histórica do Papa a Bucareste, em um país principalmente ortodoxo, faz parte do contexto mais amplo do diálogo entre a Igreja Ortodoxa da Romênia e a Igreja Católica Romana. O caminho para a unidade da Igreja é difícil, mas não impossível. Séculos de divisão entre eles deram origem a dificuldades que o homem não pode vencer por si mesmo e a solução só pode vir de Deus e seus servos.

Lembremos que, no final da Santa Liturgia Ortodoxa, como sinal de unidade e reconciliação, Sua Santidade o Papa João Paulo II e Sua Beatitude Teoctist, Patriarca da Igreja Ortodoxa Romena, trocaram cálices de ouro representando o desejo de partilhar o Corpo e o Sangue de nosso Senhor na Sagrada Eucaristia.

Depois de expor brevemente o ponto de vista ortodoxo sobre a questão da unidade e reconciliação, podemos concluir que a sua base continua a ser a Santíssima Trindade e Jesus Cristo. Apesar das diferenças doutrinárias que ocorreram entre as Igrejas cristãs, elas permanecem unidas em Cristo além das barreiras denominacionais.

O objetivo do ecumenismo contemporâneo é que a unidade espiritual das Igrejas em Cristo seja também uma unidade visível, "para que eles sejam um como nós" (Jo 17,11); Também, como diz São Paulo em Colossenses 1,16-20: "Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as criaturas visíveis e as invisíveis. Tronos, dominações, principados, potestades: tudo foi criado por ele e para ele. Ele existe antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem nele. Ele é a Cabeça do corpo, da Igreja. Ele é o Princípio, o primogênito dentre os mortos e por isso tem o primeiro lugar em todas as coisas. Porque aprouve a Deus fazer habitar nele toda a plenitude e por seu intermédio reconciliar consigo todas as criaturas, por intermédio daquele que, ao preço do próprio sangue na cruz, restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e nos céus."

Encontramos também um modelo de unidade e de amor de todos os cristãos na Santa Liturgia Ortodoxa, antes de testemunhar a nossa fé no Credo, quando o sacerdote exorta os fiéis a se amarem uns aos outros: "Amemo-nos uns aos outros, para que com um mesmo espírito possamos professar ", ao qual a congregação responde:" O Pai, eo Filho, e o Espírito Santo - a Trindade, una em substância e indivisa".

Todas as Igrejas cristãs estão se preparando para a celebração dos 2000 anos desde o nascimento de Jesus Cristo, "para que sejam um" (João 17,11) em sua Igreja Única, Santa, Católica e Apostólica, ou seja, a Igreja Universal, Comunal, Igreja Ecumênica e Apostólica.

Pe. Vasile Axinia, sacerdote Ortodoxot, Bucarest, Romênia (texto original em Francês)

Bibliografia (inglês):
-The Jerusalem Bible, London, 1966 -Rev. Dr. Ioan Mircea, Dictionary of the New Testament, Bucharest, 1995 -Rev. Prof. Dr. Ion Bria, Dictionary of Orthodox Theology, Bucharest, 1994 -Rev. Prof. Stefan Buchiu, The Incarnation of Christ and Unity, Bucharest, 1997 -Vestitorul Ortodoxiei (The Good News of Orthodoxy), journal of Church information, theology and spirituality by the Romanian Patriarchate, n/ 225, 226, 227/1999 -Rev. Prof. Dr. Petru Rezus, Contemporary Orthodox Theology, Timisoara, 1989 -Rev. Prof. Dr. Dumitru Popescu, Common Christology, Reconciliation in Christ, in "Glasul Bisericii" (The Voice of the Church), official publication of the Metropolia of Muntenia and Dobrudja, n/1-5, January -May 1995, pp. 91-96 -Deacon Prof. Petru I. David, Ecumenism, a Major Factor of Stability in the World Today, Bucharest, 1998.

 
Espiritualidade
Orações
Discursos
Cartas
Trabalhos
Milagres
Reflexões nas Mensagens
Grupos de Oração
Peregrinações & Retiros
    10a Peregrinação Ecumênica de A Verdadeira Vida em Deus na Itália
    Rodes 2012
    9a. Peregrinação Ecumênica de A Verdadeira Vida em Deus na Terra Santa
    8a. Peregrinação Ecumênica de AVVD em Roma
    Rhodes, Greece 2010
    Retiro de Evangelização em Roma, 2010
    Peregrinação Bíblica na Grécia, 2009
    Retiro no México, 2009
    Reunião no Egito, abril de 2008
    Retiro no Brazil em 2008
    Peregrinação Bíblica na Turquia, 2007
    Retiro em Barcelona, 2006
    Peregrinação no Líbano, Síria e Jordânia, 2005
    Retiro em Meteora, 2004
    Peregrinação ao Egito, 2002
    Peregrinação na Terra Santa em 2000
        Uma Experiência Pessoal de Vassula na Peregrinação na Terra Santa, em 2000
        Alocução de Boas Vindas de Vassula
        A Nobreza da Cruz
        Sejamos Um na Divina Trindade
        Todos somos Chamados a sermos Deuses por Participação
        Pegai Na Foice e Ceifai
        A Trindade
        Unidade e Reconciliação
        O Anúncio do Reino
        Uma Oração pela Unidade
        A Necessidade de Unidade
        A Terceira Época
        Sejam um na Trindade Divina
        A Reconciliação: uma Abordagem Trinitária
        Paixão pela Unidade
    Peregrinação na Terra Santa, 1998
Profecias
A Paixão

Orações
Orações Selecionadas das Mensagens
 

Discursos
Discursos de Vassula e vários outros colaboradores listados em ordem cronológica
 

Cartas
Vassula escreve sobre vários temas
 

Trabalhos
Trabalhos e outros escritos de vários colaboradores sobre vários temas
 

Milagres
Um NOVO projeto realizado em Nov 2006. Coleção de gravações de milagres associados com Vassula e a AVVD
 

Reflexões nas Mensagens
Meditações, reflexões e comentários sobre algumas mensagens selecionadas
 

Grupos de Oração
Grupos de Oração de AVVD e Associações
 

Peregrinações & Retiros
Próximas e já realizadas peregrinações e retiros de A Verdadeira Vida em Deus
 

Profecias
Artigos e Inspirações relacionadas a profecias
 

A Paixão
Vassula experimenta a Paixão de Jesus
 

 
 
MENSAGEM DO DIA:

Medita O Rosário
 
MENSAGEM ANTERIOR:

O Alimento Do Céu
Juiz, Mas Tão Terno

 
 
 



Pesquisa Rápida

© Vassula Rydén 1986 Todos Direitos Reservados
X
Enter search words below and click the 'Search' button. Words must be separated by a space only.
 

EXAMPLE: "Jesus Christ" AND saviour
 
 
OR, enter date to go directly to a Message