DHTML Menu By Milonic JavaScript

Português » Espiritualidade » Profecias » Os Problemas da Profecia Cristã »

OS PROBLEMAS DA PROFECIA CRISTÃ (*)

O cristianismo sempre traz dentro de si uma estrutura de esperança

"É tão urgente como imperativo apresentar a Fé cristã na sua pureza, particularmente o que ela promete, o que ela vai cumprir e aquilo que no fundo ela exige".

Entrevista com o Cardeal Joseph Ratzinger

por Niels Christian Hvidt

 

Quando se ouve pronunciar a palavra "profecia", a maior parte dos teólogos pensa, de imediato,  nos profetas do Antigo Testamento, em João Baptista, ou na dimensão profética do Magistério. E deste modo, na Igreja cristã, o tema dos profetas raramente é abordado e constitui um domínio particularmente pouco conhecido, em que muitas questões ficam ainda em aberto. E, no entanto, o decurso da história da Igreja está marcadamente sulcado de figuras proféticas, que ela própria tantas vezes não canonizará senão bem mais tarde e que, durante a sua vida, transmitiram mensagens que essas mesmas figuras proféticas compreenderam como Palavra de Deus, e não como simples palavras de homens ou como uma sua pessoal mensagem.
Uma vez que quase se não tem reflectido, de forma sistemática, na especificidade dos profetas, naquilo que os distingue da Igreja Institucional, nas relações entre a mensagem que lhes é revelada e aquela que é revelada em Cristo ou a Palavra transmitida pelos Apóstolos, acontece que, praticamente, jamais foi desenvolvida uma verdadeira e própria teologia da profecia cristã. De facto, existem poucos estudos sobre este problema (1).
Na sua actividade teológica, o Cardeal Ratzinger, há tempos, ocupou-se já, de uma forma aprofundada, do conceito de Revelação. Nesse tempo, a sua tese de doutoramento (2) sobre a "Teologia da História de São Boaventura" tinha tido um tal impacto inovador, que o seu trabalho acabou por ser rejeitado de início (3). Nesse tempo, a Revelação era ainda concebida como uma recolha ou conjunto de propostas diversas; era considerada, sobretudo e acima de tudo como uma questão de conhecimentos racionais. Mas Ratzinger, pelo contrário, nas suas investigações, viu em São Boaventura que o conceito de revelação se referia à acção de Deus na História, na qual a Verdade se revela pouco a pouco, se bem que é necessário compreender a Revelação como uma contínua crescente da Igreja, que se desenrola na plenitude do Verbo de Deus, o Logos (4).
Quanto à sua tese, foi finalmente aceite, mas apenas depois de algumas passagens terem sido de novo elaboradas e outras mais desenvolvidas. A partir de então, o Cardeal Ratzinger defende uma compreensão dinâmica da Revelação, à luz da qual Cristo, como Palavra de Deus, é sempre maior que qualquer outra palavra de homem, que jamais poderá estar em condições de A exprimir plenamente.  E assim se conclui que é a Palavra de Deus que confere um sentido, um significado às palavras humanas e não o inverso. Com efeito, estas últimas participam na natureza viva e inesgotável da Palavra divina que é Cristo, enquanto é à luz da Palavra de Deus que elas se compreendem, evoluem no decurso da História, passando de geração em geração, e assim se revestem de significados sempre novos (5).

Quando se ouve pronunciar a palavra "profecia", a maior parte dos teólogos pensa, de imediato,  nos profetas do Antigo Testamento, em João Baptista, ou na dimensão profética do Magistério. E deste modo, na Igreja cristã, o tema dos profetas raramente é abordado e constitui um domínio particularmente pouco conhecido, em que muitas questões ficam ainda em aberto. E, no entanto, o decurso da história da Igreja está marcadamente sulcado de figuras proféticas, que ela própria tantas vezes não canonizará senão bem mais tarde e que, durante a sua vida, transmitiram mensagens que essas mesmas figuras proféticas compreenderam como Palavra de Deus, e não como simples palavras de homens ou como uma sua pessoal mensagem.

Uma vez que quase se não tem reflectido, de forma sistemática, na especificidade dos profetas, naquilo que os distingue da Igreja Institucional, nas relações entre a mensagem que lhes é revelada e aquela que é revelada em Cristo ou a Palavra transmitida pelos Apóstolos, acontece que, praticamente, jamais foi desenvolvida uma verdadeira e própria teologia da profecia cristã. De facto, existem poucos estudos sobre este problema (1).

Na sua actividade teológica, o Cardeal Ratzinger, há tempos, ocupou-se já, de uma forma aprofundada, do conceito de Revelação. Nesse tempo, a sua tese de doutoramento (2) sobre a "Teologia da História de São Boaventura" tinha tido um tal impacto inovador, que o seu trabalho acabou por ser rejeitado de início (3). Nesse tempo, a Revelação era ainda concebida como uma recolha ou conjunto de propostas diversas; era considerada, sobretudo e acima de tudo como uma questão de conhecimentos racionais. Mas Ratzinger, pelo contrário, nas suas investigações, viu em São Boaventura que o conceito de revelação se referia à acção de Deus na História, na qual a Verdade se revela pouco a pouco, se bem que é necessário compreender a Revelação como uma contínua crescente da Igreja, que se desenrola na plenitude do Verbo de Deus, o Logos (4).

Quanto à sua tese, foi finalmente aceite, mas apenas depois de algumas passagens terem sido de novo elaboradas e outras mais desenvolvidas. A partir de então, o Cardeal Ratzinger defende uma compreensão dinâmica da Revelação, à luz da qual Cristo, como Palavra de Deus, é sempre maior que qualquer outra palavra de homem, que jamais poderá estar em condições de A exprimir plenamente.  E assim se conclui que é a Palavra de Deus que confere um sentido, um significado às palavras humanas e não o inverso. Com efeito, estas últimas participam na natureza viva e inesgotável da Palavra divina que é Cristo, enquanto é à luz da Palavra de Deus que elas se compreendem, evoluem no decurso da História, passando de geração em geração, e assim se revestem de significados sempre novos (5).

Dito isto, é apenas no quadro de um conceito dinâmico da Revelação que é possível saber exactamente o que é a profe-cia cristã. Já em 1993, o Cardeal Ratzinger emitia a seguinte averiguação: "A fim de compreender o que é ser profeta no sentido cristão do termo, assim como aquilo que o não é, impõe-se uma aprofundada discussão a este respeito" (6).

E é isto mesmo que explica a razão pela qual uma entrevista sobre o tema da profecia cristã foi pedida ao Cardeal, que logo se declarou amavelmente disposto a dá-la, no dia 16 de Março de 1998 (7).

1 - Na história da Revelação do Antigo Testamento, os profetas, assim como a sua mensagem fazem essen-cialmente parte dele. É que, pela sua crítica, abrem o caminho a Israel e acompanham-no sempre ao longo de toda a sua história. A seu ver, que se passa com a profecia, na vida da Igreja?

- Detenhamo-nos, por instante, na profecia, no sentido veterotestamentário do termo. Convém esclarecer com precisão o que é no fundo um profeta, para dissipar, de vez, todo o mal entendido possível.

Um profeta não é um adivinho do futuro. A característica  essencial do profeta não consiste em predizer os acontecimentos futuros. O profeta è aquele que diz a verdade, em virtude do seu contacto com Deus e, tratando-se da verdade válida para hoje, acaba por iluminar também, naturalmente, o futuro. Todavia, não se trata de predizer o futuro em todos os seus pormenores. Pelo contrário, trata-se de tornar presente, num determinado momento, a Verdade divina, o que permite indicar o bom caminho a seguir.

No que se refere ao Povo de Israel, a palavra do profeta possui uma função particular, no sentido em que a fé judaica é orientada essencialmente para o futuro, isto é, para aquilo que está para vir. Conclui-se que a palavra do profeta apresenta um duplo carácter: apoia-se na Fé do Povo de Israel, por um lado e, pelo outro, pede que se ouça e se cumpra. Por outras palavras, a palavra do profeta, que será sempre uma palavra humana, inscreve-se, antes de mais, na própria estrutura da esperança do Povo de Israel, notoriamente, naquilo que ele espera, naquilo para o qual está orientado.

Dito isto, o que faz o profeta, é guardar viva a esperança do Povo eleito, fazendo-a seguir sempre em frente. Depois, importa sublinhar  que o profeta não é um apocalíptico, se bem que tantas vezes o pareça. A sua missão principal não é descrever realidades últimas do mundo, mas fazer compreender a fé em Deus, no momento em que fala, como uma esperança. 

Do mesmo modo, embora o profeta deva proclamar a Palavra de Deus como se ela fosse uma espada cortante, todavia ele não é alguém que procure essencialmente exer-cer críticas ao culto e à instituição. É verdade que o profeta deve sempre lembrar aos chefes de Israel, como instituição que não deixam de ser, a exigência vital posta por Deus; e isto, apesar do mal entendido e abuso que se faz da Palavra divina. Mas é falso conceber o Antigo Testamento como uma dialéctica puramente antagonista entre o profeta e a Lei. Pelo facto de ambos terem a sua origem em Deus, ambos possuem igualmente uma função profética. É um ponto que me parece muito importante, porque ele mesmo nos deve acompanhar na leitura do Novo Testamento. Sabemos como no fim do livro do Deuteronómio (18, 15), Moisés nos é apresentado como profeta e é ele mes-mo que se nos apresenta como tal. Moisés anuncia a Israel o seguinte: "O Senhor, teu Deus, suscitará em teu favor um profeta saído das tuas fileiras, um dos teus irmãos, como eu" (Dt 18, 15). Ora, põe-se-nos uma questão: que quer dizer "um profeta como eu"? O ponto decisivo aqui, creio eu, é que sempre, segundo o livro do Deuteronómio, a característica de Moisés consiste em que ele fala com Deus como a um amigo (8). E é aí mesmo que eu vejo o núcleo, a quinta essência do ser profético, que é justamente esse "face a face" com Deus: conversar com Ele como um amigo. No Antigo Testamento, o profeta não pode falar na história de Israel senão em virtude deste encontro directo entre ele mesmo e Deus.


2- Como se deve então conceber este termo "profecia" em relação a Cristo? Poderemos chamar a Cristo um profeta?

- Na verdade, os Padres da Igreja compreenderam a profecia do Deuteronómio que acaba de ser mencionada como uma promessa feita relacionada com Cristo. E eu penso que eles têm razão. Moisés diz bem claramente: "um profeta como eu". E ele mesmo transmitiu a Israel uma men-sagem da parte de Deus, que faz de Israel um povo. E verdade é que, pelo seu próprio "face a face" com Deus, ele cumpriu a sua missão; ele próprio conduziu os Israelitas ao seu encontro com Deus. É ao serviço da profecia desse modelo que todos os demais profetas ulteriores são chamados, pois o seu dever é libertar constantemente a Lei mosaica do seu aspecto rígido e transformá-la numa via que se abra à vida.

Por conseguinte, o verdadeiro Moisés, que é também maior, é Cristo, que vive realmente num "face a face" com Deus, na medida em que é o Filho de Deus. Neste contexto, constituído, por um lado pelo Deuteronómio e, pelo outro, pela própria Vinda de Cristo, percebe-se um ponto muito importante para compreender a unidade dos dois Testamentos: Cristo é o novo Moisés, perfeito e insuperável porque, como Filho de Deus que é, vive face a face com Deus. Não só nos conduz a Deus pela palavra e pelas leis, mas também nos assume a todos n'Ele pela Sua vida e pela Sua paixão, Ele cuja Incarnação faz de nós o Seu Corpo Místico. Isto significa que o ser profético se enraiza igualmente no Novo Testamento, graças a Cristo, que nele é revelado como o profeta mais perfeito, porque Ele Mesmo é o Filho de Deus. De tudo isto resulta que, pelo que se refere ao Novo Testamento, é da comunhão com Cristo que provém a dimensão cristológica e profética da vocação de um cristão.

 

3 - A seu ver, como se deve considerar tudo isto, concretamente, no Novo Testamento? A morte do último Apóstolo, São João, não porá um freio a toda a profecia ulterior? Acaso não será verdade que exclui mesmo a sua simples possibilidade?

- Sim, que a redacção final do livro do Apocalipse põe fim a toda a profecia, é uma tese que existe, mas que, a meu ver, procede de um duplo desprezo.

Primeiro, esta tese pode dar a impressão de que, do facto de Cristo ter vindo, a Sua própia vinda nos autorizaria a pensar que não há nada mais a esperar e que o profeta já não tem  a sua razão de ser, precisamente porque a missão do profeta é essencialmente uma missão de esperança. Ora, é um erro, porque Cristo veio em carne e, bem mais, Ele Próprio ressuscitou "no Espírito Santo". Esta nova presença de Cristo na história da humanidade, a saber, nos Sacramentos, na Sua Palavra, assim como no coração de cada homem, é a expressão mas também o princípio do Advento definitivo de Cristo, que tomará posse de tudo e em tudo (cf. Ef 1,23; 4,10). Isto leva-nos a dizer que o Cristianismo é, por natureza, em si mesmo, um movimento, porque vai ao encontro do Senhor, que voltará a vir, uma vez mais. E o encontro com Cristo, pela segunda vez, não será já o mesmo que pela primeira, muito simplesmente porque já veio uma vez, mas subiu ao Céu. E esta é a razão pela qual a espe-rança continua a ser algo de inerente ao Cristianismo como estrutura, porque é orientada para o Senhor ressuscitado e subido ao Céu, e que prometeu regressar em glória. A este propósito, a Eucaristia foi sempre compreendida como um movimento da nossa parte para o Senhor, para O encontrar na fé. É um sacramento que incorpora a Igreja.

Por conseguinte, é um desprezo pensar que pelo facto de o maior profeta, Cristo, cuja presença pode cumular tudo, ter já vindo uma vez, essa dimensão de esperança que encontramos no tempo dos profetas do Antigo Testamento já não existe no Cristianismo, inaugurado pelo Novo Testamento. É um mal entendido que se deve evitar. Pelo contrário, é necessário dizer que mesmo o Novo Testamento contém necessariamente nele próprio uma dimensão de esperança, como espécie de estrutura que lhe é inerente. É sempre necessário acreditar primeiro, e a seguir esperar. E ser servidor da esperança cristã faz parte essencial da fé do novo Povo de Deus que todos nós somos.

O segundo desprezo é uma compreensão reducionista e intelectualista da Revelação, que pretende considerá-la como um tesouro, verdades reveladas a conhecer que são tão completas, que nada mais se lhes pode já acrescentar. Ora, a verdadeira Revelação é um acontecimento em que todos nós somos convidados a encontrar Deus face a face. No fundo, a Revelação quer dizer que Deus Se dá a todos nós, participa na nossa história, associa-Se e une-Se a nós. Na medida em que a Revelação se define como o encontro entre dois seres, um humano e o outro divino, ela tem também um carácter comunicativo, cognitivo. E é neste sentido que ela implica e mesmo necessita do conheci-mento das verdades reveladas.

Compreendendo a Revelação desta forma, pode agora dizer-se que, com Cristo, a Revelação atingiu o seu fim. De facto, segundo a bela expressão de São João da Cruz: "Se Deus falou pessoalmente, não há nada mais a completar". Do mesmo modo, já ninguém pode deixar de dizer que o Verbo de Deus está presente, no meio de nós. Deus já não pode dar ou dizer algo maior que Ele Mesmo. Quanto a nós, não nos resta mais do que penetrar dia-a-dia neste mistério da Fé, justamente porque nós, os Cristãos, recebemos esse dom total de Si, que Deus nos fez pelo Seu Verbo feito carne. Isto, lembremo-nos, não é senão um ponto, nesta nossa compreensão da "profecia", isto é, como ligação com o acto de esperar do crente. Mas este ponto da nossa reflexão dá lugar a um outro ponto.

É que a primeira vinda de Cristo restabeleceu, entre Deus e o homem, uma ligação nova que é sempre de reforçar. Assim, graças à sua própria ligação com o Verbo feito carne, o homem descobre o que Este lhe ofereceu. É precisamente esta nova relação que irá introduzir o homem na verdade total, mas também de uma forma nova, como o próprio Jesus o diz no Evangelho de São João, em que fala da descida do Espírito Santo (9). A cristologia pneu-matológica que provém do último discurso, no Evangelho de São João, constitui, a meu ver, um ponto pertinente, nesta nossa reflexão, na medida em que o próprio Cristo explica que a Sua vida terrestre, em carne, não é senão um primeiro passo. A  verdadeira vinda de Cristo realiza-se no momento em que Cristo já não está ligado a um lugar fixo ou a um corpo físico, mas em Espírito, depois da Sua Ressurreição, até aos nossos dias, capaz, pois, de vir a todos os homens de todas as gerações, para os introduzir na Verdade, de uma forma cada vez mais profunda. Importa lembrar este dado teológico, pois ele esclarece o tempo da Igreja em que nós estamos em vias de viver e que é também o tempo do Espírito Santo, pois é em Espírito que Cristo vem a nós e ao meio de nós, numa vinda espiritual. Compreende-se que, num tal contexto, o elemento profético que, por natureza, torna presente o que Deus deu aos homens, a saber, a Esperança que é o próprio Deus, não só não pode desaparecer, mas jamais poderá tão pouco diminuir.


4 - Se assim é, a questão não será antes saber como é necessário ver este elemento profético no tempo da Igreja, a começar por São Paulo?

- No que se refere a São Paulo, cuja missão se desempenha entre os pagãos, é claro que o seu apostolado universal tem também um alcance profético. Graças ao seu encontro com Cristo ressuscitado, São Paulo pôde penetrar no mistério da Ressurreição, compreendendo em profundidade a Boa Nova de Jesus. Do mesmo modo, graças ao seu encontro com Cristo Ressuscitado, aprendeu a compreender a Sua Palavra de uma forma nova, e tão bem,que lhe revela o carácter, o aspecto de esperança, fazendo valer de repente a sua capacidade de discernimento.

Ser um apóstolo como São Paulo é um fenómeno único. Podemos interrogar-nos sobre o que se passa na Igreja, depois do tempo dos Apóstolos. Para responder a esta pergunta, é necessário referirmo-nos a uma passagem do capítulo II da Epístola de São Paulo aos Efésios, em que ele escreveu: "A Igreja é fundada nos Apóstolos e nos profe-tas" (10). Ao tempo, pensava-se que se tratava apenas dos doze Apóstolos e dos profetas do Antigo Testamento, enquanto os exegetas modernos nos dizem que o termo "apóstolo" tem uma acepção muito mais larga, tal como o termo "profeta", que inclui também os profetas do tempo da Igreja.

Ora, segundo o capítulo 12 da primeira Epístola aos Coríntios, os profetas de outrora organizavam-se como membros de um colégio. O colégio dos profetas é também mencionado na Didakhé, o que quer dizer que existia ainda, quando a obra foi escrita.

Com o tempo, o colégio dos profetas foi dissolvido. A dissolução do colégio dos profetas não é certamente um acaso. De facto, como no-lo mostra o Antigo Testamento, a função de um profeta não é algo que se possa institucionalizar, na medida em que os profetas dirigiam a sua crítica, não apenas aos sacerdotes, mas também aos profetas institucionalizados. Isto parece bem claro no livro do Profeta Amós, em que este fala contra os profetas do Reino de Israel. Acontece mesmo muitas vezes que os profetas livres e independentes falam contra os que pertencem a um colégio. É que, entre os primeiros, Deus encontra, por assim dizer, mais margem de manobra, mais liberdade de agir por si mesmos, no momento em que é necessário que eles intervenham ou  tomem iniciativas. Visto que os dois tipos de profetas que embelezam a história da Igreja têm a sua razão de ser, parece-me que se não pode falar de uma reforma do colégio dos profetas.

No que respeita aos profetas do tipo dito institucional, importa confessar que o colégio dos Apóstolos, a exemplo de São Paulo que também foi um profeta a seu jeito, se reconhece ter não menos o seu carácter profético. E é assim que a Igreja se vê perante desafios que lhe são próprios, na medida em que o Espírito Santo encontra, no momento crucial, uma porta de entrada para intervir. A história da Igreja fornece-nos bem muitas provas de que o apóstolo e o profeta podem ser uma só e mesma pessoa. Basta ver grandes figuras, tais como Gregório Magno e Santo Agostinho. Há muitos e bons apóstolos proféticos: foram proféticos na medida em que souberam abrir a porta ao Espírito Santo com a ajuda do seu poder. E foi como profetas desse modo que conseguiram exercer o seu poder, como muito bem no-lo descreve a Didákhé.

Quanto aos profetas ditos livres ou independentes, é bom lembrar que Deus Se reserva a liberdade de intervir directamente na Sua Igreja para a despertar, para a avisar, para a promover e santificar, justamente pelos carismas que lhe dá. Sempre na história da Igreja existiram personagens carismáticos e proféticos. E eles surgiram sobretudo numa reviravolta, num momento decisivo da história da Igreja. Pensemos, por exemplo, no nascimento do movimento dos monges, num Santo Antão, no impacto que teve este Padre do deserto. Foram os monges que protegeram a cristologia do arianismo e do nestorianismo. E o mesmo acontece com São Basílio, um grande bispo, mas também um verdadeiro profeta do seu tempo. Depois, não podemos deixar de constatar que o movimento das Ordens mendicantes foi igualmente um fenómeno novo, mas cuja origem era carismática. Nem São Domingos nem São Francisco fizeram profecia sobre o futuro, mas souberam ler os sinais dos tempos e reconhecer que, para a Igreja, chegara o momento de se libertar do sistema feudal; que chegara a hora de pôr em evidência a universalidade e a pobreza evangélica, assim como a "vida apostólica". E fazendo-o, devolveram à Igreja o seu verdadeiro rosto, uma Igreja conduzida por Cristo e animada pelo Espírito Santo. E foi assim que eles contribuiram para a reforma da hierarquia da Igreja, criando no interior desta última um estilo de vida religiosa inteiramente novo. Ou ainda outros grandes personagens, semelhantes mas femininos, como por exemplo Catarina de Sena ou Brígida da Suécia.

Dito isto, creio que é importante sublinhar que cada vez que a Igreja atravessava um momento particularmente difícil, tal como a crise de Avinhão e o cisma que se lhe seguiu, houve mulheres que se ergueram para anunciar que Cristo vivo é também Cristo sofredor, na Sua Igreja.

 

próx. página

 

 


 

(*) Uma vez realizada pelo nosso bom amigo e jovem teólogo Niels Christian Hvidt esta entrevista com o Cardeal Ratzinger, logo a intenção de Edições Boa Nova foi traduzi-la e publicá-la no seu boletim de edições "Anunciai a Boa Nova", como de facto o fizeram um ano depois (em Março de 1999), tendo aguardado que primeiro ela viesse publicada na revista italiana "30 Giorni". Para além da grande amizade que nos liga ao jovem Niels, impressionou-nos, tanto a sua invulgar competência, como o ter conseguido que fosse o próprio Cardeal Ratzinger a confessar qual o bem definido comportamento da Igreja perante o carisma de Vassula, a cuja versão portuguesa estas nossas edições se têm generosamente consagrado. Como Prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, ninguém melhor que o próprio Cardeal Ratzinger para o fazer, e foi por isso mesmo que esta nossa edição do 11º volume das obras de Vassula entendeu por bem introduzi-lo justamente com a referida entrevista. Veremos como ela mesma acaba por concluir que o carisma de Vassula entra no sagrado princípio da Congregação, aliás enunciado pelo seu próprio Prefeito: "... Ninguém pode ser condenado sem ter sido ouvido e sem que primeiro se lhe tenha organizado um processo". Quer então dizer que, para esclarecer um tão delicado assunto, estará em vias de se lhe organizar um processo. E nós aguardamo-lo com submissão e confiança (n.d.t.p.).

(1) Cf. Karl Rahner, "Vision und Prophezeiung", Friburg, 1958, p. 21 e segs.: "Nunca uma teologia ortodoxa estudou os profetas, se bem que nos interroguemos sobre se verdadeiramente existem profetas na Igreja depois do tempo dos apóstolos, como discernir e reconhecer o seu carisma, que função ocupam na Igreja, qual a sua relação com a Igreja institucional, que significa a sua missão na Igreja, tanto no interior como fora desta mesma Igreja".

(2) Cf. Joseph Ratzinger, "Die Geschichtstheologie des hl. Bonaventura" (A teologia da história de São Boaventura), Munich, 1959.

(3) Cf. Joseph Ratzinger, "La mia vita-Ricordi" (1927-1977), "A Minha vida - Memórias" (1927-1977), Roma, 1997, págs. 70 e segs..

(4) Cf. Joseph Ratzinger, "La mia vita-Ricordi" (1027-1977) "A minha Vida-Memórias" (1927-1977), Roma, págs. 68 e segs.; Joseph Cardinal Ratzinger, Auf Christus schauen - Voruberlegungen zum Sinn des Jubiaumsjahres 2000, (Erguer o olhar para Cristo - - reflexões preliminares sobre o sentido do jubileu do ano 2.000), em Deutsche Tagespot, n. 31, 11, de Março de 1997, 5.

(5) Cf. Joseph Cardinal Ratzinger, op. cit. em Deutsche Tagespot, n. 31, 11 de Março de 1997, 5.

(6) Cf. Joseph Cardinal Ratzinger, "Wesenunid Auftrag der Theo- logie (A Essência e tarefa da Teologia)", Freiburg 1993, p. 106.

(7) Desde 1994, que Niels Christian Hvidt realiza um trabalho de teologia sobre "a profecia cristã". Foi este o tema do seu trabalho de licenciatura em teologia, intitulado "Prophecy and Revelation" (Profecia e Revelação) que ainda não está publicado, mas foi já apresentado à faculdade de teologia da Universidade de Copenhague, em Janeiro de 1997. A Universidade atribuiu uma medalha de ouro a este trabalho, cujo resumo apareceu em "Studia Theologiae - Journal of Scandinavion Theology", n 2 / 1998, sob o título "Prophecy and Revelation - a Theological Survey on the Problem of Christian Prophecy" (Estudo teológico do problema da profecia cristã). A este propósito, um muito obrigado a Dr. Yvonne Maria Werner, do Instituto da História da Universidade Lund, que estava presente, nesta entrevista.

(8) Cf. Dt 34, 10.

(9) Cf. Jo 16,13.

(10) Cf. Ef 2,20; Ef 4,11.

 

 
Espiritualidade
Orações
Discursos
Cartas
Trabalhos
Milagres
Reflexões nas Mensagens
Grupos de Oração
Peregrinações & Retiros
Profecias
    Profecia e Revelação
    Os Problemas da Profecia Cristã
    Os Problemas da Profecia Cristã (continuação)
    Vassula fala sobre as Profecias
    Os Alicerces da Terra Vacilarão
    Uma Mensagem De Aviso ao Mundo e aos EUA
A Paixão

Orações
Orações Selecionadas das Mensagens
 

Discursos
Discursos de Vassula e vários outros colaboradores listados em ordem cronológica
 

Cartas
Vassula escreve sobre vários temas
 

Trabalhos
Trabalhos e outros escritos de vários colaboradores sobre vários temas
 

Milagres
Um NOVO projeto realizado em Nov 2006. Coleção de gravações de milagres associados com Vassula e a AVVD
 

Reflexões nas Mensagens
Meditações, reflexões e comentários sobre algumas mensagens selecionadas
 

Grupos de Oração
Grupos de Oração de AVVD e Associações
 

Peregrinações & Retiros
Próximas e já realizadas peregrinações e retiros de A Verdadeira Vida em Deus
 

Profecias
Artigos e Inspirações relacionadas a profecias
 

A Paixão
Vassula experimenta a Paixão de Jesus
 

 
 
MENSAGEM DO DIA:

O Meu Espírito Santo Derramar-Se-á Mesmo Sobre Os Pagãos
As Minhas Graças Serão Multiplicadas

 
MENSAGEM ANTERIOR:

Oferecei-me O Vosso Coração
 
 
 



Pesquisa Rápida

© Vassula Rydén 1986 Todos Direitos Reservados
X
Enter search words below and click the 'Search' button. Words must be separated by a space only.
 

EXAMPLE: "Jesus Christ" AND saviour
 
 
OR, enter date to go directly to a Message