RETURNAR AO SITE:http://www.tlig.org/pt/testimonies/churchpos/cdfresources/def1/TAMANHO DA LETRA: NORMAL - GRANDE

Português » Testemunhos » A Posição da Igreja » Mais sobre a CDF  » Pe. Miguel Contardo SJ »

 

Pe. Miguel Contardo SJ

Em defesa de Vassula Rydén,
sobre um artigo de "L'Osservatore Romano",
3 de novembro de 1995.

Notas de esclarecimento

  1. O Senhor advertiu Vassula, em várias ocasiões, que ela teria muitos detratores, tanto católicos quanto, principalmente, ortodoxos.

  2. Padre Gobbi, Diretor e Fundador do "Movimento dos Padres Marianos", falou-nos da "Maçonaria Eclesiástica", como a "Besta que sai do mar", referida no Apocalipse, e que sua influência penetra na comunicação social,  o que significa, mesmo dentro do Vaticano.

  3. João XXIII e Paulo VI falaram sobre "a fumaça de Satanás" dentro da Igreja, em relação às infiltrações no Concílio Vaticano II.

  4. "Notificação" não significa "proibição", mas "advertência" ou "observação cuidadosa", para não ser desviada por falsas interpretações.

  5. O Santo Padre João Paulo II, em várias ocasiões, abençoou e estimulou as atividades de Vassula, como fez o Cardeal Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

  6. Grandes teólogos católicos, como padre René Laurentin, Fernando Umaña, Michael O'Carroll, etc., etc., estudaram e analisaram em profundidade os escritos de Vassula, elogiando-os, recomendando-o aos fiéis. Se tivessem encontrado algum erro nos escritos, teriam avisado sobre eles e não teriam se arriscado à sua publicação.

  7. Vassula tem como diretor espiritual, um padre irlandês virtuoso e sábio, que a acompanha em suas viagens, aprovado pela Santa Sé.

  8. O artigo de "L'Osservatore Romano" não tem a assinatura do Cardeal Ratzinger. É publicado como mais uma notícia dada por algum membro da referida Congregação, e esse membro não é a Congregação. Como tal, não tem valor de "Documento", mas é simplesmente uma notícia ou mera opinião de algum membro da Congregação. Não há nada oficial.

  9. Não é a primeira vez que a revista acima, "L'Osservatore Romano", publica algo, não só sem a autorização do Santo Padre, mas até mesmo, em contradição com o seu modo de pensar.

  10. Devemos saber "ler nas entrelinhas" e não nos escandalizar muito com as opiniões de homens que estão sujeitos a erros. Tampouco devemos ser tão "determinantes" para acreditar que a opinião dada por um jornal, mesmo religioso, constitua quase uma verdade de fé. Consequentemente, não devemos nos submeter cegamente ao que é dito. Precisamos saber como "discernir corretamente", pedindo ao Espírito Santo por Sua Luz.

  11. Vamos tentar examinar objetivamente o que é dito no artigo publicado em tal revista. Para melhor clareza, analisaremos cuidadosamente cada parágrafo ou questão do mesmo.

  12. O segundo parágrafo afirma: "Um exame calmo e atento de toda a questão ...".  O exame não é calmo nem atento, mas rápido e superficial.

  13. O terceiro parágrafo afirma: "... é necessário ressaltar vários erros doutrinários ...". Quais são esses erros doutrinários? Se eles são tão importantes, o artigo deve apontá-los e refutá-los. No entanto, a menção é feita apenas para o mesmo, sem nomeá-los ou enumerá-los.

  14. Quarto parágrafo: "... linguagem ambígua é usada no falar das Pessoas da Santíssima Trindade, a ponto de confundir os nomes e funções específicos das Pessoas Divinas". Não existe tal confusão, visto que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são Um e Único Deus, não mais. Vassula trata o Pai como "Abba" (Papai, querido Pai), como o próprio Jesus nos ensinou quando falou com o Pai, questão que escandalizou os fariseus de seu tempo. E desta maneira, Vassula fala ao Pai Eterno, que durante muito tempo ensinou-lhe a oração do "Pai Nosso". Ela trata o "Filho" como Deus e irmão mais velho, confiando n'Ele como um amigo, e no Espírito Santo, como o Amor entre Eles, e o inspirador de Seus pensamentos.

    Agora, se alguém quiser encontrar erro com olhos inquisitivos, ele também encontrará erros nos escritos de muitos santos Padres. E quando agindo de má fé, ele poderia procurar por erros, mesmo nas Sagradas Escrituras. Por exemplo, se uma frase dita por Nosso Senhor é lida trivialmente, como: "Eu vim para trazer fogo à terra", poderia facilmente ser considerada, simplesmente interpretada, como louvor aos piromaníacos. Ou quando Ele diz: "Eu vim para dividir a sogra da nora", isso poderia ser o assunto de piadas  sacrílegas e insípidas.

    O mesmo quarto parágrafo continua: "Em estilo milenarista, é profetizado que Deus vai fazer uma intervenção gloriosa final que inicie na terra antes mesmo de Cristo, uma era de paz e prosperidade universal". A frase "estilo milenar" parece esotérica e oculta. E tal frase, erroneamente usada ou distorcida, pode, de fato, induzir à rejeição e ao erro. Vassula não fala do "milênio" dessa maneira, como a pessoa que lê "atenta e calmamente" tenta transmitir. Esta vinda de Cristo em Glória e Majestade é uma frase da Sagrada Escritura, que foi cuidadosamente examinada por muitos Doutores da Igreja. 

    Além disso, o mesmo parágrafo indica: "... a vinda próxima é predita de uma Igreja que seria uma espécie de comunidade pan-cristã, contrária à doutrina católica". Nunca nos escritos de Vassula ela menciona uma igreja pan-cristã. Esta é uma interpretação terrível do desejo de Cristo de formar "Uma Igreja" ou "Um só rebanho sob um pastor". Isto é o que Vassula diz, como Nosso Senhor quer, e não como uma mistura de Igrejas, como tal artigo interpreta. Consequentemente, o autor do artigo em "L'Osservatore Romano" diz coisas que Vassula não disse e interpreta, de uma forma distorcida, seus escritos.

  15. "O fato de que os erros acima mencionados não aparecem mais nos escritos posteriores de Ryden é um sinal de que as alegadas "mensagens celestes" são meramente o resultado de meditações particulares". Tais erros não aparecem em nenhum escrito de Vassula, erros que a crítica em questão quer insistentemente encontrar. 

    "Além disso, habitualmente compartilhando os sacramentos da Igreja Católica, mesmo sendo ortodoxa grega ..." Então, o que o fato que ela nasceu ortodoxa grega tem algo a ver com isso? Os Sacramentos da Igreja Ortodoxa Grega não são válidos e reconhecidos pela Igreja Católica?

    Além disso, afirma-se: "Ela parece estar se colocando acima de toda jurisdição eclesiástica e toda norma canônica ..." Esta expressão é o que é chamado de escândalo farisaico. , uma interpretação distorcida, de um modo quase ridículo.

    O texto continua: "... e, com efeito, está criando uma desordem ecumênica que irrita muitas autoridades, ministros e fiéis de sua própria Igreja, pois se coloca fora da disciplina eclesiástica da  última. " É lógico que Vassula irrita algum clero ortodoxo, "tocando a ferida aberta", já que Nosso Senhor lhes diz que eles devem obedecer a Pedro, que é o Papa, e que agora tal Pedro é João Paulo II. Nosso Senhor disse a Vassula que ela encontraria as maiores dificuldades, precisamente, formando as autoridades eclesiásticas ortodoxas, uma vez que não desejariam obedecer ao Papa como Soberano Pontífice.

  16. O sexto parágrafo diz: "Dado o efeito negativo das atividades de Vassula Ryden, apesar de alguns aspectos positivos, esta Congregação solicita a intervenção dos Bispos ... ". Este é um pedido ou petição, não uma ordem ou comando.

    Prossegue: "... para que seus fiéis possam ser adequadamente informados ..." Informar, explicar, para que não haja erro por sua própria má interpretação, como acontece com toda revelação privada ou movimento da Igreja. (Por exemplo, a Renovação Carismática, o Movimento Schoenstat, Cevex, etc.). Além disso, "adequadamente" significa de maneira prudente, inteligente e madura.

    O escritor continua: "... e que nenhuma oportunidade pode ser fornecida em suas dioceses para a divulgação de suas idéias". Isto se refere à disseminação de suas idéias mal interpretadas, como em qualquer movimento ou revelação particular.

  17. "Por fim, a Congregação convida todos os fiéis a não considerarem os escritos e discursos da Sra. Vassula Ryden como sobrenaturais ...". E se eles são sobrenaturais, como acreditamos que são, que direito têm de ousar dogmatizar algo que ainda está em processo de estudo e que é respeitado e meditado por grandes e sólidos teólogos da Igreja Católica, incluindo o próprio Cardeal Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e Sua Santidade, o próprio Papa João Paulo II?

  18. O artigo afirma ainda: "... e para preservar a pureza da fé que o Senhor confiou à Igreja". Estamos todos de acordo com isso.

Por conseguinte, as conclusões são óbvias. Não há proibição de ler esses escritos; no entanto, devemos ter o cuidado de analisá-los com a devida prudência, invocando previamente o Espírito Santo para que Ele ilumine nossas mentes e encoraje nossa vontade de sempre fazer a Vontade de Deus.

Pe. Miguel Contardo SJ
Chile
Janeiro de 1996