RETURNAR AO SITE:http://www.tlig.org/pt/testimonies/christian/catholic/fr-joseph-iannuzzi/www.tlig.org/pt/testimonies/christian/catholic/fr-joseph-iannuzzi/TAMANHO DA LETRA: NORMAL - GRANDE

Português » Testemunhos » Clérigos Cristãos, Religiosos, Teólogos e Estudiosos » Católicos Romanos » Pe. Joseph Iannuzzi »

 

Pe. Joseph Iannuzzi

Rodes, Setembro de 2012

Esta é uma transcrição de uma entrevista de 12 minutos  por cortesia de True Life in God Radio

Meu nome é  Reverendo Joseph Leo Iannuzzi, de Roma, na Itália, onde tenho estudado nos últimos vinte e um anos, intercalado com designações pastorais no exterior. Recentemente terminei uma dissertação de doutorado na Pontifícia Universidade de Roma intitulada “A Operação da Vontade Divina e Humana nos Escritos da Serva de Deus, Luisa Piccarreta - uma Investigação sobre os Primeiros Concílios Ecumênicos e a Teologia Patrística e Escolástica”. Estou aqui para falar sobre a importância das Mensagens da Verdadeira Vida em Deus, conforme ditado por Nosso Senhor para sua escriba, Vassula Ryden.

Por que essas mensagens são importantes? Porque a única revelação pública que Cristo pregou a seus apóstolos e que seus apóstolos transmitiram a nós (kerygma ton apostolon) está sendo continuamente explicada pelo Espírito Santo que Cristo prometeu nos enviar para que pudéssemos chegar ao conhecimento de “toda a verdade”. " Antes de partir deste mundo, Jesus disse aos seus discípulos: “Ainda tenho muitas coisas para dizer a vocês, mas vocês não podem suportá-los agora. Mas quando o Espírito da verdade vier, Ele te ensinará toda a verdade” (João 16,12). Entre essas “coisas”, Jesus não contou aos seus discípulos os ensinamentos das mensagens de AVVD, que o Espírito Santo da verdade continua a explicar a Vassula. Embora tais mensagens de AVVD sobre unidade, amor, misericórdia, intimidade com a Trindade e um santo temor de Deus estejam implícitas nas Escrituras, elas são explicadas nas mensagens de Vassula.

Encontramos na Sagrada Escritura que se tudo o que Cristo disse estivesse contido nas Escrituras, não haveria bibliotecas suficientes na Terra para conter todos os seus ensinamentos (João 21,25) - para sugerir que embora Cristo nos desse tudo o que precisamos para salvação e santidade , nem tudo é totalmente compreendido ou totalmente "explicado". Recordo aqui o Catecismo da Igreja Católica, que afirma o seguinte: “Nenhuma nova revelação pública é esperada antes da vinda gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo. No entanto, mesmo que a revelação já esteja completa, não foi completamente explícita; permanece para a fé cristã gradualmente compreender seu pleno significado ao longo dos séculos” (CCC, 66).

Neste artigo, descobre-se a revelação progressiva (explicação) da revelação pública. Se, por um lado, o artigo 66 relata que Jesus nos revelou tudo o que precisamos para a salvação e nenhuma nova revelação “pública” (o Depósito da Fé) é esperada, por outro lado, afirma que nem tudo na revelação pública de Cristo nos foi revelada "explicitamente"!

Os documentos da Igreja dos últimos 2.000 anos testemunham ainda mais a divulgação contínua e em andamento da revelação pública, pois tais documentos nunca afirmam que a revelação de Deus “terminou” com Cristo, mas sim que a revelação pública de Cristo é “constituída”. De fato, o termo constituído não significa “fim”, mas significa que o fundamento da revelação é estabelecido em Cristo de uma vez por todas. Embora a revelação privada nunca possa substituir a Sagrada Escritura, pois a Sagrada Escritura é, para sempre, o fundamento insubstituível e inerrante de nossa fé, a revelação privada auxilia a Escritura e até a Tradição em seu papel de continuamente explicar “ao longo dos séculos” e através da orientação do Espírito Santo, as verdades reveladas por Deus. Agora, a obra da explicação do Espírito de revelação ocorre através da voz oficial de ensino da Igreja (Magistério) e através do ofício de profeta (por exemplo, Vassula, por quem a Igreja hoje recebe revelações privadas) que São Paulo lista imediatamente após o ofício de apóstolo: “Deus designou na sua Igreja  primeiro apóstolos,  segundo profetas,  terceiro mestres,  quarto milagres…” (1Co 12,28).

Para entender melhor a complementaridade entre a revelação pública e privada, deixe o olho humano representar a revelação pública, e uma lupa representa a revelação privada. Agora, se eu olhasse para uma folha de grama com o olho humano, eu não veria todas os veios naquela folha de grama tão de perto e com tantos detalhes quanto eu faria com uma lupa. Assim, a revelação pública, representada pelo olho humano, é esclarecida e é explicada pela revelação privada, representada pela lupa. E é nesse sentido que a revelação privada revela à mente humana as verdades de Cristo que, embora contidas na única revelação pública de Cristo, nunca foram totalmente divulgadas ou compreendidas.

Que as revelações privadas contribuíram para certas formulações doutrinárias entre os teólogos escolásticos é evidente nos escritos de Ss. Tomás de Aquino e Boaventura; ambos referiram-se às revelações particulares ao postularem a instituição do sacramento da Confirmação. Além disso, as místicas  Bridget da Suécia e Catarina de Siena exortaram o verdadeiro papa a retornar de Avignon para Roma, e adivinhem, o papa as obedeceu, pontuando assim a importância das revelações.

Estas são apenas alguns dos muitos exemplos que nos dizem por que revelações privadas da Igreja - quando  são  respeitadas por dezenas de teólogos e bispos como as de Vassula - são de tão grande valor hoje, que constituem o desdobramento contínuo e contínuo da revelação pública de Cristo. Sua importância é ainda mais testemunhada nas conseqüências espiritualmente devastadoras que teriam ocorrido se a Igreja as tivesse ignorado: Se a Igreja tivesse ignorado as revelações particulares de Santa Margarida Maria, não teríamos a garantia de Cristo de que podemos morrer pacificamente no estado de graça com a graça do arrependimento final (cf. 12ª promessa das devoções da 1ª Sexta); se a Igreja tivesse ignorado as revelações particulares de Santa Faustina, não teríamos a Festa da Divina Misericórdia que concede uma remissão total de todo pecado e punição; tivessa a Igreja ignorado as revelações privadas da Serva de Deus Luísa Piccarreta, não teríamos o novo dom místico de “ Viver Sob a Vontade Divina”.

Como no passado,  hoje Cristo vem a nós através de sua profetisa Vassula com uma mensagem de unidade. Ele quer que nos unamos sob a única bandeira de Jesus Cristo. Cristo está chamando todos nós para nos unirmos através dessas mensagens de AVVD por meio do amor. No entanto, ele pede que todos nos dobremos. Ele nos lembra que ele nunca iria quebrar a nossa vontade humana. Portanto, ele quer que nós curvemos livremente nossas vontades para que possamos escolher a unidade e, ao fazê-lo, forjarmos juntos nosso amor e compaixão para nos unirmos sob a única bandeira de Cristo.

Agora, essa unidade não denigre de forma alguma os ritos independentes de diferentes denominações dos ortodoxos, dos protestantes ou dos católicos; respeita esses ritos. Tais ritos são encorajados a continuar, mas devemos nos unir em nossa crença comum. Por quê? Porque a ordem  de Satanás é “dividir e conquistar”, enquanto a ordem de Jesus é “unir e conquistar”! Então, unindo-nos em uma crença, vamos evitar o desastre iminente que ameaça nosso mundo hoje e a fé de nossos filhos. Se nos unirmos, teremos mais impacto no mundo político e na arena religiosa, e nos disporemos para a era de paz que Nossa Senhora profetizou em Fátima.

Portanto, podemos respeitar e ansiosamente abraçar a iconografia da Igreja Ortodoxa Oriental, a qual  eles olham para muitos aspectos como uma fonte de revelação, e para seu patrimônio profundamente rico de literatura sobre “divinização” e união mística com a Trindade; podemos respeitar e abraçar as contribuições escriturísticas dos protestantes e seus dons carismáticos bem preservados que nos permitem aprofundar nossa fé e desenvolver nossos dons recebidos na Confirmação. Em suma, os católicos, os ortodoxos, os protestantes, todos nós que somos aos olhos de Deus, cristãos somos convidados pelo próprio Filho de Deus a unir-nos a AGORA sob a única bandeira de Jesus Cristo. Sem colocar superioridade ou inferioridade nesses diferentes papéis que todos nós ocupamos na Igreja, podemos reconhecer humildemente que somos todos iguais aos olhos de Deus, enquanto desempenhamos papéis diferentes. E tudo o que precisamos fazer é dobrar livremente nossas vontades humanas para que a vontade divina de Deus possa reinar em nós. Tudo o que é necessário é duas coisas: intenção e desejo; temos que ter uma intenção de nos unir e um desejo de fazer acontecer. Então, pouco a pouco, começaremos a estabelecer na Terra a Nova Jerusalém, o Novo Céu e a Nova Terra.

Diante do exposto, pode-se ver prontamente que as mensagens da Verdadeira Vida em Deus são parte integrante dos ensinamentos das escrituras e tradições da Igreja. São mensagens não destinadas para mil anos atrás, mas para hoje! O modo como Deus falou através de seus apóstolos e através de seus profetas, agora está sendo falado através das mensagens de Vassula. Vamos agradecer a Deus Pai por estas revelações de seu Filho Jesus Cristo através de sua secretária da Verdadeira Vida em Deus, Vassula Ryden, que escreve sob a direção do Espírito Santo, e recebamos com espírito de docilidade o Espírito da verdade que está falando para sua igreja hoje. Que Deus os abençoe.

Rev. J. L. Iannuzzi