RETURNAR AO SITE:http://www.tlig.org/pt/spirituality/pilgrimages/turkey2007/report/TAMANHO DA LETRA: NORMAL - GRANDE

Português » Espiritualidade » Peregrinações & Retiros » Peregrinação Bíblica na Turquia, 2007 » Relato da Peregrinação »

 

6ª. PEREGRINAÇÃO ECUMÊNICA DA  VERDADEIRA VIDA EM DEUS   NA  TURQUIA E  GRÉCIA  EM 2007

O Pe. Twistleton é Conselheiro de Missão e Renovação para a Diocese Anglicana de Chichester nos Relatórios do Reino Unido

De 19 a 29 de maio, 12 ônibus  transportando 500 peregrinos,  viajaram pela Turquia para locais antigos cristãos até  Patmos na Grécia em uma peregrinação espiritual. Vieram predominantemente de igrejas cristãs lideradas por 50 bispos e sacerdotes de 18 denominações acompanhadas de crentes e clérigos budistas, hindus e muçulmanos.

Esta foi a 6ª Peregrinação ecumênica da Verdadeira Vida em Deus, inspirada pelas Divinas Mensagens de Vassula Ryden, pedindo a renovação espiritual entre cristãos e a recuperação da unidade cristã ao serviço da paz e da reconciliação que Jesus anseia por trazer a este mundo.

Os participantes de 56 países celebraram um novo instinto presente na maioria das igrejas. Este instinto é pela plena comunhão e companheirismo entre igrejas cristãs. Os palestrantes  na peregrinação testemunham um movimento profético de oração em todo o mundo, que está diminuindo barreiras entre denominações. Os bispos, sacerdotes e pastores influenciados pelas mensagens falaram sobre como os líderes cristãos tem estado  edificando a confiança e a colaboração em todas as igrejas e como isto tem trazido bênçãos à suas comunidades em todo o mundo.  Eles confirmam as mensagens como sendo verdadeiras para a fé da igreja ao longo dos tempos, ao mesmo tempo que pedem uma confiança renovada e uma humildade mais profunda entre os membros da igreja, especialmente os líderes.

SOB O PATROCÍNIO DO ESPÍRITO SANTO

Os peregrinos reuniram-se em Kayseri, o nome turco da antiga Cesaréia,  lar de São Basílio de Cesaréia (330-379), o grande mestre sobre o Espírito Santo. Parecia apropriado para o tempo  litúrgico entre a Ascensão e  Pentecostes. Foi o início de uma grande invocação do Espírito Santo, que durou nove dias onde nos comprometemos a rezar juntamente com Maria, a mãe de Jesus (Atos 1,14).

A Capadócia é a pátria não somente de São Basílio mas também de  São Gregório de Nazianzo e de  São Gregório de Nissa. Estes chamados Padres Capadócios eram as grandes mentes e espíritos que Deus usava para superar o quarto século da heresia do Arianismo que negava a divindade de Cristo. Em Kayseri, 500 cristãos de 56 países e 18 denominações cristãs reuniram-se ao redor do altar para ouvir o chamado ao amor de sacrifício feito pelo arcebispo Vincent Concessao de Delhi. A unidade expressa entre as denominações na Missa diária era um sinal profético. A Verdadeira Vida em Deus abre uma visão de unidade e transformação que nos atrai além da igreja de nossos dias.

12 ônibus partiram para um passeio pela Capadócia com suas extraordinárias formações rochosas e cidades subterrâneas. O arenito é facilmente esculpido pelo homem ou pelos elementos. Os cristãos que fugiam da perseguição nos primeiros séculos encontraram refúgio aqui.

Em Kayseri,  Vassula leu um famoso discurso do Patriarca Atenágoras, que nos garantiu que a chama do Espírito pode consumir divisões. Com esta garantia, nos lembramos uma mensagem de  Jesus – por quanto tempo o mundo estará dividido e minha igreja partida? Vocês não ouviram a lamentação dos santos? Muitos entre os  dignitários  da minha igreja consideram mais respeitável a opinião de homens o que é  abominável meu ver.

Nosso segundo dia começou no hotel com uma liturgia ortodoxa e um senso impressionante da presença do Senhor. Este culto foi originalmente programado para ser em uma das poucas igrejas que operam nesta parte da Turquia, mas isso foi proibido por questões de segurança.

Nossos passeios pela Capadócia continuaram até Sinassos e as igrejas subterrâneas de Giorene. Lá nós cantamos canções cristãs, onde foi- nos permitido por nossos guias seculares, para honrar a memória daqueles que se foram antes de nós, sabendo que a glória que eles compartilham em Cristo é para nós e que, sem nós não chegassem à plena realização  (Hebreus 11,40b).

Nos ônibus e à noite, ouvimos testemunhos da obra do Espírito Santo em vidas individuais. Todos os dias rezamos o Rosário. Lembro-me de várias pessoas sendo profundamente movidas pelos Mistérios Dolorosos, como é usado no livro de oração de A Verdadeira Vida em Deus. As descrições vívidas nas mensagens de Jesus detalhando sua paixão atingem o coração.

TURQUIA  -  A PONTE ENTRE  A ÁSIA E A EUROPA

A Eucaristia anglicana no terceiro dia foi dirigida pelo bispo Riah, que acabou de se aposentar de um posto difícil em Jerusalém. Esta liturgia convocou-nos à reconciliação - ouvir a Deus, construir uma comunidade cristã e transmitir o amor de Deus pelo mundo. Pratique o que você prega,  disse o bispo. Isso tentamos à medida que cristãos de diferentes culturas, nações e denominações se aproximam.

Os peregrinos viajaram 630 quilômetros pela Turquia, a maior península ocidental – oriental  do mundo, a ponte entre a Europa e a Ásia.  Enquanto viajávamos vimos  as famosas  caravanserai,  pousadas nas estradas onde os viajantes em seus dias podiam descansar e restaurar-se de seu dia de viagem. Jesus disse Na casa de meu Pai há muitas moradas (João 14,2). Muitos lugares de descanso na jornada até  a visão de Deus.

Em um dos lugares onde descansamos nesta jornada, Icônio, lembramos o local da primeira missão de São Paulo e São Barnabé. Em outro, havia uma pequena mesquita onde pude entrar e rezar pelas relações muçulmano-cristãs. Nosso guia falou do Islã como sendo uma religião de misericórdia. Quanto mais profundo o nosso senso de necessidade de misericórdia,  mais próximos os crentes ficam uns aos outros, mesmo em todas as religiões. Este foi um tema de algumas das minhas conversas inspiradas nas mensagens.

AS SETE IGREJAS DA REVELAÇÃO

No quarto dia começamos  nosso passeio pelas sete igrejas do livro de Apocalipse. Do nosso hotel em Pamukkale, antiga Hierápolis, dirigimo-nos para a chamada cidade sagrada branca com óxido de cálcio para   no local do martírio de São Filipe Apóstolo. Semanas antes da nossa peregrinação, três missionários protestantes foram mortos na Turquia. Era natural para nós refletir sobre esse local  em quanto pode-nos  custar transmitir a verdade de Cristo em qualquer época.

Colossos e Laodicéia são visíveis das alturas de Hierápolis, todas mencionadas no Novo Testamento. Nós viajamos para Laodicéia e oramos ali na igreja arruinada,  para que o  Espírito Santo nos salve de sermos cristãos mornos (Apocalipse 3,15). Esta área tem muitas fontes, quentes e frias, o que dá um grande sentido à  referência bíblica. Muitos de nós nadamos naquela noite nas águas ricas em óxido de cálcio do spa do hotel.

À noite, vimos imagens de alguns fenômenos extraordinários nas reuniões australianas da Verdadeira Vida em Deus, que Vassula interpretou como um chamado do coração de Cristo. Ele é o Deus da unidade e da divisão. Seu Sagrado Coração sangra ainda pelas separações em seu corpo, a  igreja.

A Missa de  jovens para Nossa Senhora, Auxílio dos Cristãos no quinto dia, incluiu um sermão rico do Mons. Fred Kriekenbeek das Filipinas sobre a unidade na Trindade que se comunica a todos, começando por  Maria, filha do Pai, Mãe do Filho e esposa do Espírito. Isto inspirou a visita à arruinada  Catedral de Filadélfia, lugar de amor fraternal. Não há críticas sobre esta igreja no Apocalipse, mas sim elogios pela resistência amorosa de seus membros. As colunas ainda estão de pé como  um sinal da promessa aos crentes de Sardes de que serão feitos colunas no templo do meu Deus...  (Apocalipse 3,12b).

Em Sardis Vassula juntou-se a nosso ônibus. Ao lermos a mensagem de João,  de Deus para Sardes, pedindo despertar e vigilância espiritual, foi natural agradecer a  Deus que os profetas continuam na igreja com seu alerta. Tal chamado foi feito na oração de cura  da noite na qual  muitas pessoas foram tocadas em um nível profundo, movidas em seu coração para a confissão de seus pecados, repousando no chão devido ao sopro do Espírito Santo. Todo esse ministério foi presidido por Jesus com  sua presença no Santíssimo Sacramento e devoção incentivada pela pregação do padre Teófilo Rodríguez Dias do Panamá.

O canto em línguas e a presença sacramental fluíram para dentro e para fora uns dos outros, uma maravilha do chamado apostólico de A Verdadeira Vida em Deus para reintegrar os elementos carismáticos e institucionais da igreja tão frequentemente  estabelecida uma contra a outra por Satanás em nossos dias.

PALAVRAS  PROFÉTICAS EM EPHESUS

Quando o sexto dia começou, viajamos a curta distância de nossos hotéis para a Casa de Maria  em Éfeso. Lá fomos recebidos pelo Pe. Tarcy Matthias, OFM, líder de um número cada vez menor de cristãos locais que preservam nossos lugares santos na Turquia. Levei uma saudação dele de seu amigo, meu próprio Bispo de Chichester. A missa Católica Romana foi presidida pelo  Cardeal Telesphore Toppo da Índia utilizando o  cálice dourado e a patena presenteados e usados pelo Papa em 2006. Envolvidos  no espírito de alegria e união o Cardeal concluiu a Missa  exclamando: A Verdadeira Vida em Deus é o futuro.

Foi um dia de palavras proféticas. Na parte da tarde em torno do local tradicional do sepultamento do Apóstolo São João, demo-nos as  mãos e cantamos depois que alguém leu a partir das mensagens de desejo de Cristo de que as principais denominações da Igreja devem, como barras de ferro, ser dobradas e forjadas em conjunto pelo amor ardente de o Espírito Santo. Em uma conversa, o cardeal Toppo compartilhou comigo uma visão para a união inicial da igreja como a da União Européia. Cada partido manteria a soberania enquanto submetia-se ao todo, de modo a ganhar enriquecimento e capacitação. No túmulo de São João, lembrei-me de sua mensagem de amor como a pista de tudo o que o cristianismo defende, incluindo a unidade dos cristãos.

As profecias continuaram à noite enquanto Vassula delineou as aspirações de tantos leigos na igreja relativas à  intercomunhão e como os líderes da igreja precisavam ouvir o que o Espírito está dizendo e agir em conformidade. Precisamos de uma única data de Páscoa e depois  Eucaristia. Se os sinais dos tempos são para a unidade, como algumas autoridades da igreja podem dispensá-los? Cristo é um Deus de divisão ou de unidade? Esta mensagem concluiu com referência a Efésios 4, 4-6 que fala de um só Corpo e um só Espírito, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos... .

PENTECOSTES EM PATMOS

Em nosso sétimo dia, partimos para Patmos.  Enquanto viajávamos celebramos a Eucaristia em nossos três barcos, estando os peregrinos nutridos na peregrinação como a antiga Israel, pelo pão celestial.  Em minha própria jornada fui acompanhado nesta altura da peregrinação por um monge do Monte Athos que me orientou sobre a Oração de Jesus, aquele instrumento abençoado para convidar a habitação do Espírito Santo. Seria o  legado de minha peregrinação, uma nova abertura para a graça.

À medida que os cantos ortodoxos para as  Vésperas de Pentecostes  elevavam-se  nossos 500 peregrinos desceram à pequena igreja na chamada Caverna do Apocalipse para tocar a fenda cruciforme no teto onde São João, o  Divino  teve sua  revelação de Deus na ilha  denominada Patmos, pelo espírito no dia do Senhor (Apocalipse 1,9-10).

Da Caverna subimos à outra igreja de Patmos para participar do memorável casamento de Mark Jordan com a sobrinha de Vassula, Maria. Na liturgia ortodoxa de noiva e noivo caminham  com coroas que simbolizam seu chamado cristão para construir o reino de Cristo como marido e mulher. Mais tarde, na recepção do casamento, o cardeal Toppo dirigiu-se a Mark: você não irá ao céu sem Maria e seus filhos e o mesmo vale para Maria. Vassula atuou como a profetisa que é ao coroar os bispos e sacerdotes presentes na recepção com coroas de louro. Vocês sacerdotes não irão para o céu sem filhos espirituais, o Cardeal concluiu em uma poderosa afirmação.

 

O oitavo dia  foi domingo de Pentecostes. O sol se elevou sobre o mar  à frente do Hotel Paraíso enquanto muitos de nós fazíamos nossas orações da manhã no dia do Senhor (Apocalipse 1,10a). A missa ortodoxa ucraniana foi cantada abaixo do mosteiro de Patmos. Como no Dia de Pentecostes registrado em Atos 2, o Evangelho foi ouvido em várias línguas. A sentença que foi tomada por mim foi a tradicional saudação da paz de Jesus que se ouviu em árabe do Bispo Riah: salaam aleikum.

Este dia da festa trouxe consigo tempo e espaço livres para conversar durante o almoço e a viagem até Éfeso.

SENTINDO  UM TOQUE  PROFUNDO DO SENHOR

Três igrejas do Apocalipse  em um dia era   a programação ambiciosa para o nono dia começando com Esmirna (Izmir) e uma bela Missa na Igreja de Nossa Senhora do Rosário. O Pe.  Teofolo pregou terminando com um convite para que os leigos orassem por uma unção no Espírito Santo sobre o clero. Muitos sacerdotes sentiram um toque profundo do Senhor em um lugar louvado nas escrituras pela riqueza de sua fé (Apocalipse 2,8-11). Esmirna traz as cicatrizes da turbulenta história turca, a política da terra queimada adotada quando a Grécia a invadiu quase um século atrás. Nossas orações foram como sempre para a cura.

O segundo chamado do dia foi para a Basílica Vermelha de Pérgamo, onde o pessoal de meu ônibus cantou  Pai,  Te Adoramos  em partes, ecoando nos imensos muros da igreja advertidos sobre uma queda por causa da tolerância de falsos mestres (Apocalipse 2,12-17). O terceiro chamado para Tiatira teve que ser abandonado exceto por uma visita espiritual através de Atos 16,14 e Apocalipse 2,18-29. O coração aberto de Lydia tão em contraste com o egoísmo de Jezabel traz um desafio espiritual: a qual  reino  devo servir quando retornar ao mundo? É "seja feita minha  vontade" ou "seja feita vossa vontade"?

Então concluímos a nossa peregrinação em torno das Sete Igrejas advertidos contra a apatia nos primeiros capítulos do livro do Apocalipse. Rezando nessas ruínas, os 500 peregrinos foram estimulados a ações altruístas para divulgar as boas novas de Jesus, para que a herança cristã não se desmorone em suas próprias terras. Em nosso próprio ônibus, a longa jornada para casa foi animada por testemunhos. Um ponto que me impressionou com força foi o seguinte:  a receita para a  santidade é focar as necessidades dos outros.

A VERDADEIRA VIDA EM DEUS – UM CHAMADO APOSTÓLICO

Vassula pensa no amanhã. Os outros pensam em  hoje é um resumo  de A Verdadeira Vida em Deus feito por um amigo hindu que nos acompanhava na peregrinação. Certamente sentimos que vivemos por dez dias com a unidade cristã que antecipa o futuro conforme Deus. Este encontro único em lugares visitados pelos apóstolos João, Felipe e Paulo foi um ato verdadeiramente profético. Deus nos une através da palavra e dos sacramentos em nossas igrejas, mas não podemos atá-lo pois ele busca a reunião visível do corpo de Cristo. Como o cardeal Toppo  declarou em Éfeso, A Verdadeira Vida em Deus é o futuro.

A cura das divisões mundiais é desejada por Deus, mas é frustrada pelo rompimento de seu instrumento escolhido,  a igreja de Jesus Cristo. O chamado para recuperar a unidade na fé dos apóstolos é caro, mas é necessário. Deus busca uma nova obediência entre os cristãos que unirão suas energias para servir um mundo novo no qual Cristo é um Deus de unidade e não de divisão.

Nos privilegiados dez dias,  fomos lembrados não apenas do chamado apostólico à renovação pessoal no Espírito Santo, mas da exigência urgente de Deus de que os líderes da igreja deveriam concordar com uma data comum para a Páscoa e trabalhar para o dia em que as divisões históricas sobre a Eucaristia serão curadas e todos os cristãos serão bem vindos para compartilhar a Sagrada Comunhão em todas as igrejas.

O amor é a chave disse o Bispo Couto de Punjab enquanto preparávamo-nos para voar para casa. Seja corajoso e sem medo, disse Vassula como sua última palavra. Os peregrinos voaram para casa, fortificados pelo retiro corporativo, que foi uma antecipação das coisas boas que devem vir  para a  igreja e para o mundo e que parecem trazer energia nova do Espírito para o trabalho de divulgar a boa nova de Jesus Cristo.

Pe. John Twistleton