RETURNAR AO SITE:http://www.tlig.org/pt/spirituality/pilgrimages/egyptreport/kriekenbeeck/TAMANHO DA LETRA: NORMAL - GRANDE

Português » Espiritualidade » Peregrinações & Retiros » Peregrinação ao Egito, 2002 » A Unidade, por Monsenhor Kriekenbeeck »

 

A Unidade, por Monsenhor Kriekenbeeck

Homilia do Monsenhor Kriekenbeeck em Sharm El Sheikh, Península do Sinai, durante a Peregrinação da AVVD ao Egito, em 2002

A primeira leitura nos fala sobre o Plano de Deus. E o Plano é que sejamos um só corpo e um só espírito; nós temos uma esperança que nos é dada por seu chamado. Há um único Senhor, uma única fé, um único batismo, um só Deus e pai de todos, que está acima de tudo, e trabalha por meio de todos, e está em todos. Esse é o belo plano de Deus para seus filhos.

Mas se olhamos no mundo de hoje, não é o caso, porque o homem colocou obstáculos no caminho da unidade. Culturais, políticos, econômicos e mesmo religiosos, e isso decorre da arrogância orgulhosa no coração humano. E esta é a razão pela qual Paulo diz: Imploro a vocês verem a luz da humildade, do testemunho e da paciência, que se asuportem mutuamente, para que possamos preservar a unidade que tem o Espírito como sua origem.

Reflitamos sobre isso por um momento. Como a união e o trabalho de reunir é a obra do Espírito. É o Espírito que nos convocou e é o Espírito que tornou isso possível, até a Missa de hoje. Mas devemos preservar isso, e Paulo diz que é a paz que o mantém unido, porque a paz é a força vinculante. Portanto, devemos fazer todos os esforços para estar em paz um com o outro, em paz um com o outro, paz com cada cultura, para que o anúncio do anjo: "Paz aos homens de boa vontade" seja obtido por nossa reunião.

A verdade da questão é que, por uma razão ou outra: histórica, política, cultural, religiosa, composta pelo próprio orgulho do homem, colocamos barreiras a esse belo plano de Deus. Mas este não é apenas um plano, esta é uma realidade. Esta é uma realidade, porque Jesus nos diz que Ele é a Videira, e que somos os ramos. 

Portanto, aqueles de nós que somos batizados e que acreditamos em Cristo e que vivamos a Verdadeira Vida nEle - não importa como estejamos separados - realmente estamos juntos, e estamos unidos nesta verdadeira Vida com Deus.

Eu estava refletindo sobre a nossa viagem pelo Sinai e pelo deserto e pelas montanhas, e como Deus levou Seu povo para tirar deles tudo, de modo que dependessem apenas dEle. Para se tornar o povo de Deus, uma mente, um coração, uma alma, um espírito, se não há obstáculos no caminho. E então, nossa viagem é uma revelação da demanda do Espírito para morrermos para esses vários obstáculos, para que possamos alcançar a unidade.

Em João, 17, Jesus ora ao Pai: "Oro para que sejam um, como Somos Um". A Trindade é o nosso modelo de unidade. Isso normalmente seria impossível. Mas ele acrescenta: "Para que eles sejam um em Nós, Eu em Ti e Tu em Mim", para que, ao participar da vida em Deus, possamos ser como a Trindade e nos relacionarmos uns com os outros no amor do Santo Espírito.

O direcionamento da Igreja hoje é o que é dado no Evangelho. O Evangelho tem duas partes. A primeira parte é o sinal dos tempos. Deus fala através de eventos. Jesus diz à Sua audiência judaica que, como podem ler os sinais no céu, devem ler os tempos Messiânicos, porque está cumprido com Sua Presença, é realizado com Sua Presença. E assim Ele está nos dizendo que o sinal dos tempos de hoje é o chamado à unidade. Devemos nos unir ou então seremos destruídos. Nós olhamos para o programa de televisão para a previsão do tempo, nós lemos os sinais do clima: Deus fala por meio dos eventos, exige a unidade neste momento. Devemos nos unir. Devemos nos unir ou então, o que aconteceu com o antigo Israel acontecerá conosco. A mensagem para Israel foi "obedeça ou desapareça". Se não obedecermos, Ele nos dispensará !

A segunda parte do Evangelho é responsabilidade. Prestação de contas. Ele está dizendo que devemos agir, porque se não o fizermos, e então o julgamento vem, pagaremos por cada ação ociosa, palavra ociosa, cada moeda, cada desobediência, cada desunião, cada facção, cada arrogância orgulhosa. Pagaremos por isso. E, portanto, a mensagem é: o sinal dos tempos é o chamado à unidade e devemos agir.

E se não agirmos, somos responsáveis perante Deus. Agradecemos à Verdadeira Vida em Deus, porque lê os sinais dos tempos, responde o chamado à unidade e toma medidas. E esta é a nossa resposta. Amém. Louvemos o Senhor!

Nossa tarefa agora é levar isso de volta aos nossos países. Para todos os 60 países, e testemunhar a unidade em nossa vida pessoal, em nossa família, em nossa comunidade, em nossa fraternidade, para que Deus veja, para que Deus descubra que vivamos uma Verdadeira em Vida Deus, em nossa mente, em nosso coração e em nossas ações. Amém.