INÍCIOÍNDICEPESQUISA
TURIM E O SANTO SUDÁRIO

5.10.1987


Reparei por aquele pastor, como Nossa Senhora me havia pedido. Depois, no princípio da tarde, a minha prima Ismini havia-me telefonado, perguntando-me se eu queria ir com ela a ver o Santo Sudário. Jesus predispôs tudo; fui. Todas as vezes que minha prima vai a Turim, vai para o mesmo hotel e este hotel está apenas a uns 500 metros da Catedral do Santo Sudário. Em Turim, fui à Catedral. Era impressionante. Sentia encontrar-me no mais Santo dos lugares. Ao centro, debaixo da cúpula, encontra-se uma urna que contém o Santo Lençol: o Santo Sudário.
No hotel, quando minha prima reentrou, depois das suas compras, fui ao seu encontro para lhe dizer de onde havia chegado, mas ela não me ouvia, porque tinha algo de maravilhoso a dizer-me. Próximo do hotel, havia descoberto a mais linda imagem de Nossa Senhora. Estava muito admirada, uma vez que já há alguns anos tinha passado centenas de vezes por aquela via sem nunca a ter visto. Descreveu-ma nos seus mais pequenos pormenores: com mais de três metros de altura, rosto belo e uma jovem amorosa, braços e mãos estendidos como a querer abraçar o mundo inteiro, vestido rico, às pregas e manto azul. À volta da imagem, grandes e compridas tendas, belíssimas, de cetim vermelho escarlate resplandecente, invadidas por uma grande luz. Eu disse-lhe que, nesse mesmo lugar, tinha visto uma simples foto, inteiramente conspurcada pela poluição e pequenas tendas vermelhas e amarelas, também elas conspurcadas, e nada mais. Da estátua maravilhosa, nem sequer uma sombra. No dia seguinte, domingo, depois da visita ao Santo Sudário e da Missa, fomos ver essa estátua.
No lugar da pressuposta imagem, lá estavam a foto e as tendas vermelhas e amarelas de que eu me recordava; mas, da imagem, não havia sinal algum. Minha prima sentiu um fortíssimo choque: não compreendia nada! Por graça divina, compreendi! Esse edifício avermelhado era uma igreja, embora realmente o não parecesse. Onde minha prima tinha visto uma imagem, havia, pelo contrário, uma pequenina porta que levava à igreja, muito bela, no interior, em que, nesse momento, se estava celebrando a Santa Missa. Nossa Senhora quisera levar-me lá, a fim de que reparasse por esse pastor, acendendo uma vela e pedindo perdão a Jesus por ele.
Esta igreja é dedicada a São Domingos, que teve a inspiração do Santo Rosário. A bela e grande estátua aparecera para nos atrair a essa igreja. Para mais, era justamente a festa do Santo Rosário 1 , e não o sabíamos.

- Jesus, tudo isto é exato?

- Sim, Vassula, é justamente como o contaste. Eu elevar-te-ei para Mim, logo que tenhas cumprido a tua missão. A Minha Alma deseja-te ardentemente. Vassula, escuta a Minha Mãe:

- Vassula, diz a Ismini quanto Eu a amo. Minha filha, Eu dei-lhe a visão desta Minha imagem, para atrair a sua atenção e, assim, vos conduzir à Minha igreja. Minhas bem-amadas, como vos amo! Honrai-Nos, Minhas bem-amadas. Reparai pelos vossos irmãos. Recordai quanto Nós estamos próximos de todos vós. Vassula, não desanimes nunca por que Eu estou ao teu lado. Apoia-te sempre a Jesus. Minha filha, pensa na Paixão de Jesus. Vive por Ele e glorifica-O.

- Só poderei fazer tudo isso com o Vosso auxílio e o de Jesus. Eu quero honrar-Vos.

- Amo-vos a todos! Abençoa Ismini; Eu já a abençoei, como também a seu marido, na Minha Igreja.

- Bendigo-Vos, Santa Maria.

- Também Eu te abençôo.


1 Missa antecipada