A Posição do Católico Fiel à Igreja

pelo Pe. Guido Sommavilla, SJ


Reunião com Vassula no Teatro, Milão, em 19 Abril de 1997.

Minha querida gente, irmãos e irmãs em Jesus Nosso Senhor, minha querida Vassula. Seguindo a Notificação da Congregação para a Doutrina da Fé (mais conhecida como O Santo Ofício) de Dezembro passado, fui convidado para iluminar as consciências dos cristãos crentes, os que são católicos e fiéis à Igreja, como eu o sou e espero que vocês também o sejam.

Aqueles que me conhecem por meus escritos, sabem bem que sou Católico, que sou sacerdote, Jesuíta, e muito fiel à Igreja, que a ama e a defende - alguns dizem que demasiado. Eu sei que o Santo Ofício em verdade é sacrum officium, quer dizer, um serviço santo e sagrado, necessário para a Igreja e legítimo para a Igreja e para os fiéis. Estes pronunciamentos do Santo Ofício são pronunciamentos magisteriais de tipo extraordinários ou solenes, ou de tipo ordinário, e podem ser privados ou universais. Neste caso é um de tipo privado e ordinário.Sabemos, especialmente nós sacerdotes, que quando se trata de casos ordinários e privados, o magistério pode errar. Todos eles sabem, os que estão na Congregação são os primeiros em sabê-lo, começando pelo Cardeal Ratzinger. Há a possibilidade de errar. Nada é infalível e nada é definitivo neste serviço sagrado. Sucedeu que a Congregação errou.

Para dar-lhes um exemplo, errou quando declarou que os carismas e os estigmas do Padre Pio eram falsos, quer dizer, fruto de enfermidade e fantasia (1920-22). Errou quando declarou que os carismas da Irmã Faustina Kowalska eram falsos; essa monja polaca que recentemente foi beatificada. Assim que o Santo Ofício pode errar. Estes são dois exemplos tomados deste século. Há um terceiro caso que pertence a este século e outros casos de séculos anteriores, não obstante, estes são uma exceção à regra, já que normalmente não há erro. De maneira que podia haver errado nesta ocasião também, e eles também o sabem.

O que diz a Notificação acerca da Sra. Vassula Ryden? Não é uma prevenção, senão uma informação que depois de ter citado numerosos motivos de forma sumária, convida aos fiéis a não crer que exista nada de sobrenatural em Vassula Ryden, e que não é Deus quem escreve, fala, dita e aparece, diretamente a ela. Repito, é um convite. Hoje os convites como recomendações (tomemos como exemplo os conselhos Evangélicos de castidade, pobreza e obediência), são algo em que nós somos livres de aceitar ou não aceitar. Nossa consciência é livre de escolher.

Todos nós, com respeito a Vassula e seus carismas, somos livres de crer que Jesus está nela, que Ele escreve e se comunica com ela. Ademais, esta notificação não só fala em certo sentido contra ela, senão que também fala um pouco a seu favor ao reconhecer que há aspectos positivos nas mensagens e profecias.Também diz que os seguintes escritos de Vassula não contém os erros que eles enumeraram na notificação. Que isto ocorreu nos primeiros cinco volumes que estavam disponíveis 15 meses antes da notificação, como quer que seja, é certo queo Santo Ofício revisou os últimos volumes, denotanto que não existem erros tampouco ali, noutro caso os podiam haver mencionado. Portanto, nos volumes publicados do quarto ao oitavo, de acordo com o Santo Ofício, não há erros, tudo é positivo.

Consequentemente, de acordo com o Santo Ofício, o aspecto positivo (este deve entender-se num sentido moral, religioso e espiritual) em Vassula, é maior que a parte negativa. A notificação continua afirmando que a parte negativa, quer dizer, os erros, são tais que todo o fenômeno de Vassula é negativo. Segue-se o convite a não crer.

Agora eu gostaria de dizer-lhes algo. Tenho ensinado filosofia, entre outras coisas, em Milão durante 40 anos e me especializei particularmente na lógica da filosofia. Três de meus livros foram publicados com este argumento, e assim é como eu raciocino: se o Santo Ofício escolhe um simples convite para dizer aos fiéis o lado negativo, então eu deduzo logicamente que esta parte negativa é fraca, é leve, é frágil, já que noutro caso teriam proibido abertamente. De maneira que, se esta parte negativa que nos adverte a ter cuidado é tão leve, por conseguinte o raciocínio é leve. Os erros, de forma individual e coletivamente, são débeis. (Hoje não tenho o tempo para assinalar o conteúdo desta negligência, de maneira que, se desejam ler a terceira introdução do oitavo volume de A Verdadeira Vida em Deus, encontrarão uma espécie de análise dos motivos daqueles que estão contra Vassula).

Portanto, se as razões são leves e a parte negativa de que temos sido prevenidos é leve, então o peso que poderia pressionar as consciências daqueles que escolhem não aceitar o convite (eu sou um deles), seria somente ligeiro. Agora eu me pergunto, e muitos de vocês poderiam perguntar-se: não seria mais perfeito aceitar o convite em lugar de não aceitá-lo? Se daria mais glória a Deus aceitando-o? Estaria Ele mais comprazido com nossa aceitação? Bom, a resposta deve ser esta: é como no Evangelho, os conselhos de pobreza, castidade e obediência que também vem de Deus, quer dizer de Jesus (o convite) é uma recomendação; se vocês escolhem por não aceitá-la não estão cometendo o menor pecado.

Assim pois, cada pessoa deve perguntar-se a si mesma se está melhor ou pior aceitando-o ou não. Creio que todos os que estamos aqui, estamos convencidos que a maioria das pessoas elege melhor ao não fazer nenhum voto, porque a maioria das pessoas não se ajustam a eles. Além disso, há muitas pessoas que nem sequer podem cumpri-los, quer dizer, que não podem seguir os conselhos de Jesus, são aqueles que romperam seus votos e se casaram. Agora, em relação a isto, posso dizer de mim mesmo que estou de certa maneira casado. Isto é, estou firmemente atado na crença em Vassula. Estou atado à evidência de que ela não pode ser a autora de todas estas maravilhosas mensagens, porque eu creio verdadeiramente que aí está Jesus, Deus e Maria nela, e que escrevem fazendo-Se conhecer e ouvir. Este diálogo contínuo que nela ocorre é real. Estou seguro disso; tenho a evidência porque li e meditei os livros de Vassula durante anos.

Depois, em 1995, "Avvenire" (diário Católico italiano), de que sou correspondente, me pediu que defendesse Vassula do panfleto negativo escrito pelo Pe. Dermine. Meu artigo foi publicado em "Avvenire" e depois disto, o editor italiano de A Verdadeira Vida em Deus, me pediu que estudasse a Vassula e escrevesse um livro sobre ela. Tenho estado estudando o assunto durante mais de um ano e agora cheguei a conclusão que o carisma de Vassula é autêntico. Portanto, contra a evidência da verdade não se sustém nenhuma obediência.

Nas famosas cartas de obediência de Santo Inácio de Loyola (o qual talvez seja o melhor mestre em obediência da Igreja) diz: ante a evidência da verdade, ninguém pode obedecer; quando obedecer, quer dizer ir contra a verdade. Talvez cada um de vocês deva perguntar-se a si mesmo: tenho esta obediência? Portanto depende do grau de evidência da verdade que cada um dos leitores de Vassula, tenha responsável e inteligentemente adquirido com a leitura das mensagens. Depende pois de cada um em particular. Penso e espero que a maioria das pessoas inteligentes e responsáveis que leram Vassula, deveriam ser capazes de entender esta evidência da verdade.

Além disso, nesta notificação, não existe sequer a mínima referência a não convidar Vassula; assim é que, se podemos convidá-la, podemos assistir e escutá-la, vir e orar com ela. Tampouco menciona nenhuma proibição de informar acerca dela. Assim que somos livres de dar informação sobre ela. Não foi feita nem a menor menção sobre isto, e como vêem, seus livros se seguem editando. Foram publicadas introduções aos livros e artigos sobre ela pelos editores Católicos pertencentes a comunidade religiosa; sacerdotes do Sagrado Coração, os Dehonianos. Qualquer tipo de informação, seja através da imprensa, televisão ou rádio, ou qualquer outro sistema de comunicação, é legítimo. Tudo é legítimo. Assim é como estão as coisas.

É preciso considerar outra coisa: a considerar: o convite, ou melhor, o lembrete feito a todos os bispos do mundo. Vassula vai ao redor do mundo, porque recebe muitos convites. Ela não vai como para dar-se a conhecer num show, poderíamos melhor dizer que não lhe agrada ser o centro da atenção. Recordo que numa conversa com o seu Anjo da Guarda, ela dizia: "Anjo meu, tu sabes que não gosto de estar no show". Vassula o faz porque é sua obrigação, é Jesus quem quer, e ela estando segura de que é Jesus que pede, vai. Custa-lhe muito trabalho assistir, no entanto Jesus quer que se apresente e então ela vai. Assim, há uma lembrança para os bispos do mundo Católico, de atuar de acordo. Ora, isto é algo que compete aos bispos. É sua responsabilidade decidir que atitude tomar. A lógica das coisas, no entanto, faz observar que as ações dos bispos não podem ir além do que o Santo Ofício fez. Isto quer dizer, não podem fazer mais que transmitir o convite, deixando os fiéis basicamente em liberdade.

Há uma última coisa a dizer. É algo que nos dá motivo para alegrar-nos e agradecer. A notificação diz que todas estas mensagens, todo este diálogo, este poema da vida de Deus, A Verdadeira Vida em Deus, "são somente meditações privadas da mulher". Com esta seleção de palavras, com esta interpretação autoritária do Santo Ofício, todas as demais interpretações estão excluídas ou desqualificadas, em particular as duas interpretações que atribuem todo esse fenômeno profético ao seu sub-consciente ou ao demônio. Isto, por exemplo, é o que o Pe. Dermine vem dizendo de Vassula nas transmissões da rádio Maria - sim, esta "santa Rádio Maria" que, neste caso, não é tão santa.. Sabem bem os psicólogos que, se isto fosse certo, a pessoa poderia estar sofrendo de esquizofrenia, sua mente seria gradualmente danificada. Ora bem, todos os que conhecem Vassula, ainda que seja um pouco, sabem bem que este não é o caso.Portanto, quando a notificação diz que o fenômeno é atribuível totalmente a ela, estão excluindo que seja atribuível ao demônio ou ao sub-consciente.É sabido que especialmente nos primeiros anos, Vassula mesma tinha dúvidas se tudo isto provinha do demônio ou mesmo de seu subconsciente. Temos agora o Santo Ofício que assegura que dela provém, não sendo do demônio nem de seu sub-consciente.

Estamos muito agradecidos por este esclarecimento do Santo Ofício. Muito Obrigado.


retorna à página principal