INÍCIO MENSAGENS
Os Mistérios Gloriosos do Rosário
Meditações tiradas de A Verdadeira Vida em Deus

índice



 
1. A Resurreição (Mt 28,1-15 ; Mc 16,1-18 ; Lc 24,1-12 ; Jo 20,1-28)

“Eu Sou a Ressurreição e a Vida e prometo-Vos que o Dia da devoção, agora, não está longe. Os vossos mortos voltarão à Vida (...) Estenderei o Meu Reino e restaurarei as vossas terras, que agora são estéreis e de aspecto miserável. (...) Eu preparo-vos um Novo Céu e uma Nova Terra e o Amor regressará a vós (...) como Amor (...) Eu, o Senhor, pretendo ressuscitar-vos e cultivar esse deserto em que viveis, e transformar as vossas ilusões, embusteiras ou enganadoras, em oásis” (29.8.1989)

“Eu Sou está aqui, para edificar as vossas esperanças, a vossa força, a vossa fé e o vosso amor. Meu filho, “Koumi!” Levanta-te, agora, tu que desde há tanto tempo pereceste. Levanta-te, Meu filho, e toma o teu lugar; aqui tens um cajado de pastor. Eu Mesmo dirigirei a tua alma, para que ela receba a instrução: vai, agora, à procura do resto das Minhas ovelhas desgarradas” (23.12.1993)


 
2. A Ascensão (Lc 24,39-53 ; Mc 16,19-20 ; At 1,6-9)

“O Meu Reino, na terra, é a Minha Igreja; e a Eucaristia é a Vida da Minha Igreja, essa Igreja que Eu Mesmo vos dei. Tinha-vos deixado uma única Igreja; mas, logo que vos deixei, logo que vos virei as Costas para regressar ao Pai, vós reduzistes a Minha Casa à desolação! Atiraste-A por terra! E o Meu povo anda errante, para a direita e para a esquerda... Por quanto tempo terei Eu ainda de beber o Cálice da vossa divisão, Cálice de aflição e de devastação? Oferecestes, então, ao Santíssimo, Àquele que vós dizeis amar, um Cálice tão grande e profundo, um Cálice tão cheio de amargura e dor, que o céu da Minha Boca se tornou mais seco que o pergaminho e os Meus Lábios estão todos cheios de gretas. O sabor deste Cálice que esta geração Me oferece é amargo como o veneno. E não sou Eu só, a engolir as Minhas Lágrimas: também a vossa Santa Mãe participa da Minha Dor, uma vez que o Seu Coração Imaculado está unido, no Amor, ao Meu Sagrado Coração. Mas, depressa vos renovarei a todos com o Meu Fogo. Rezai incessantemente, por que a Hora é iminente.” (14.11.1991)


 
3. Pentecostes (At 1,14 - 2.47)

“Nestes vossos dias, o Meu Espírito Santo sopra em vós de um lado e do outro; o Seu sopro é como uma ribeira que corre em todas as direções e, por onde quer que corra esta ribeira, desabrocham e crescem árvores de fruto, com folhas que jamais murcham, antes são medicinais e todo o que as come é curado. Sim, o Meu Espírito Santo é uma fonte que dá a Vida, o Poder interior do Meu Reino, que faz discípulos da Sabedoria. O Meu Espírito Santo constrói, renova e embeleza; mas o embusteiro destrói e ameaça de morte tudo aquilo que é santo. Como é possível que vós não consigais perceber a luz deslumbrante do Meu Espírito Santo? Como a luz de sete dias num só, o Meu Espírito Santo brilha, hoje, no céu. Este Sinal do Filho do Homem, que hoje aparece no céu, não vos basta?” (23.12.1993)




 
4. A Assunção (2 Ap 2,11 )

“Meu Deus, meu Deus! Quem é aquela que se levanta como a aurora, luzente na penumbra como a estrela da manhã? Quem é aquela, mais bela que a lua, parecida com o sol e com um grande pórtico aberto no Seu Coração?” “É a Rainha do Céu, é a Minha Mãe e vossa Mãe, a mais fascinante das mulheres, bela como o Céu, radiante com a Minha Glória, única na Sua Perfeição, a Delícia da Minha Alma; é Aquela que mostra a Seus filhos como entrar no Meu Reino” (11.11.1993)







 
5. A Coroação de Nossa Senhora no Céu (Ap 12,1 )

“Deixa que Eu lembre a todos, para além de tudo o mais, como Eu, o Senhor coroei Minha Mãe “RAINHA DO CÉU” (10.2.1988)

“Ela é a Mulher que traz as doze estrelas como coroa, na Cabeça, o Vaso da Minha Glória, Reflexo da Minha Luz Eterna; É Aquela, cuja Presença nos Meus Palácios ultrapassa, em brilho, todas as constelações juntas; Ela é o Vaso da Verdadeira Luz, do Verbo feito carne e que viveu no meio de vós; Ela é a Graça, n’A Graça, o mais Doce Cântico dos salmistas; Ela é o Tema do Meu Júbilo, Minha Honra e Minha Altivez (11.11.1993)


índice