INÍCIO MENSAGENS
Testemunhos de Conversão dos Prisioneiros
através da leitura de A Verdadeira Vida em Deus




Quatro livros contendo testemunhos de prisioneiros, com o impacto das mensagens de A Verdadeira Vida em Deus em suas vidas, foram editados em Portugal. Estes testemunhos foram colhidos nos estabelecimentos prisionais portugueses.

Aqui temos alguns destes testemunhos:


Por incrível que vos possa parecer, por mais incompreensível que se apresente, a realidade é que, na prisão, tenho aprendido a ser livre; e sinto-me mais livre agora do que antes...

Tenho hoje consciência de que a grande maioria das pessoas que se encontram em liberdade não são verdadeiramente livres. E quando não somos livres em liberdade, pode acontecer que - como no meu caso - venhamos a ser presos; e só então, graças a Deus e pelo Seu infinito Amor para conosco, aprendemos a ser livres.

Sendo livres em liberdade, atingimos a plenitude; aprendendo na reclusão a ser livres e considerando a liberdade, além da plenitude, atingimos o Absoluto.

A leitura dos livros de A Verdadeira Vida em Deus ajuda-nos a consagrar a Deus todo o nosso ser, ofertando-Lhe todo o nosso dia-a-dia, os nossos sofrimentos, as nossas alegrias, em reparação do Sagrado Coração de Jesus, diariamente, ferido e dilacerado pelos nossos pecados. Sinto fluir em mim, através de mim, o Amor universal e não o amor egoísta, de outrora, que só corrompe e destrói o homem. E por isso sou livre. No entanto, não podemos nos desarreigar do nosso passado: dos nossos vícios, das nossas fraquezas, das nossas faltas. É preciso construir com isto, como o arquiteto das abóbadas cistercienses que, ao equilibrar pedras pesadas, as tornam leves.

A meditação, a leitura destes livros ajuda-nos precisamente a tornar acessíveis os tortuosos caminhos da vida, a que cada um certamente chama de sua cruz, seu calvário. Lendo os livros ajuda-nos a não nos preocuparmos com perguntas, em saber o que havemos de tirar da vida; ajuda-nos, antes, a dar qualquer coisa à vida. E darmos qualquer coisa à vida é submetermo-nos à vontade de Deus, tal como diariamente Lhe pedimos: "...venha a nós o Vosso Reino, seja feita a Vossa Vontade, assim na terra como no Céu...".

Quando tomamos consciência de que a vontade de Deus é também a nossa, quando a Ele nos entregamos por inteiro, sem reservas, tornamo-nos homens livres. E ser livre é um milagre que devemos saber perpetuar; e este só se torna perpétuo, quando deixamos que Jesus aja em nós, através de nós, tal como no cântico "...Entreguei-me todo a Cristo, nunca mais me senti só...". O amor universal é a expressão suprema de ser livre. O amor universal está em Jesus. Estar com Jesus é ser livre. (12.4.1996)




O Crucifixo observa-me constantemente, pois está pousado na grade da janela da minha cela, junto à minha cabeceira; e acho que aí se encontra por sua vontade própria, pois todas as vezes que o tentei colar à parede, facilmente me deu a entender que rejeitava tal disposição...

Agora, relativamente à leitura, já iniciada, dos livros por si oferecidos, o que mais me chamou a atenção é, sem dúvida, a tranquilidade que me invade, ao ler A Verdadeira Vida em Deus: "Eu Sou Jesus. Vassula, apoia-te a Mim e descansa". Sim, fico calmo e tranqüilo. É como se Ele estivesse aqui, a meu lado, calmo e tranqüilo, dando-me a segurança de não estar só; ou como se imaginasse a Sua Presença, silenciosa, sabendo-O próximo, sempre Amigo, sem necessidade de pronunciar uma só palavra. Sabendo que posso, aconteça o que acontecer, contar com Ele, muito antes de Lhe pedir qualquer coisa, na confiança de que podemos contar um com o outro. E isso foi a melhor prenda que tive neste Natal: ganhar a confiança de um Amigo, que sabemos que nunca mais vai nos abandonar.

Assim, com esta tranqüilidade, como forma de comunicação, irei continuar a ler esta Obra, procurando, cada vez mais, fortalecer esta minha nova, ou melhor, rejuvenescida amizade. (31.12.1997)




... Eu não sou capaz de escrever uma coisa que não me saia do interior do coração e, por isso, vou mais uma vez dizer-vos que já li todos os volumes de A Verdadeira Vida em Deus, até ao VII, além de outros e da Revista mensal. Longe de ter a fé de que precisava (como Jesus disse), a verdade é que só pelo que aqui me aperfeiçoei já valeu a pena passar por esta experiência.
Por isso, é isto que eu penso dos escritos de A Verdadeira Vida em Deus: Foram eles que me ajudaram. Também tenho a Bíblia Sagrada, Antigo e Novo Testamento.
Este ano ainda não posso ir passar a Páscoa em minha casa. Para a minha família e por eles, era melhor eu estar junto deles, nesse dia; mas, para mim, é melhor eu estar aqui, porque se Páscoa significa passagem, eu tenho a sorte de passar uma Páscoa bem longe; e é por isso que me sinto mais perto de Jesus e penso e falo com Ele mais vezes que se estivesse em casa. Assim, é melhor para mim.
... Como vós dizeis: o eu estar aqui, vivo; a minha mulher, a perdoar-me e a lutar pelo meu bem e pelo dos filhos; os filhos (quatro), com a alegria que Jesus lhes tem dado de continuarem em frente, com tudo o que de normal pertence a uma juventude sã e boa; outros familiares a desejarem-me rápida recuperação e tudo o mais... não será tudo isto um grande milagre? Não será também isto um fruto da minha oração?
São estes e outros fatores que me levam a acreditar que Jesus me trouxe aqui, para eu refletir na minha vida, antes que fosse demasiado tarde. (3.4.1996)




Irmã! As minhas saudações. Acabei de receber a vossa mensagem. Realmente, são palavras que fazem sarar a alma ferida. Peço a Cristo que Se lembre sempre de mim, principalmente durante os dias da Páscoa, para que se tornem os dias da minha libertação.

Estou esperando ansiosamente pela vossa terceira visita, que para mim significa muito... Eu gosto de me banquetear nas Palavras de Cristo, porque as Palavras de Cristo ensinam-nos todas as coisas que devemos fazer... "Eu amo-te. Vem e consola-Me, amando-Me..." Eu fiz uma empatia com a palavra 'Vassula'; e, ao colocar a minha pessoa no lugar de Vassula, eu senti que Cristo vive dentro do meu coração. Eu já li o I e III volumes. Acho que é uma leitura extraordinária e muito importante, devido à minha situação. Ajuda-me a aprender mais sobre Cristo. Tenho-me sentido muito bem com estes livros. Vou continuar a ler. Espero a minha libertação, de acordo com a minha fé, que se opera em Jesus Cristo, o Todo-Poderoso. (4.4.1996)




... A primeira novidade que lhe dou é de muita alegria; o Senhor Padre voltou de novo a celebrar Missa aqui aos sábados e, depois de falar com ele, disse-me que é para continuar. Graças a Deus, nestas duas semanas, já são bastantes os colegas a ir à Missa e eu, dentro do possível, vou emprestando os livros de A Verdadeira Vida em Deus, para eles se aproximarem mais de Deus e assim haja cada vez mais vontade de ir à Missa, embora haja sempre um ou outro de outra ideologia (que eu respeito); mas devagar lá vão compreendendo e lá vão para o nosso lado. Tinha e tenho aqui um colega (testemunha de Jeová); até vinha cá um senhor dar-lhe aulas. Mas eu tanto lhe pedi, que ele já deixou isso e até já vai à Missa. Só peço a Deus que mande o Seu Espírito Santo para todos, para que o futuro seja de uma família cada vez mais cristã e, através disso, este sacrifício seja mais leve para todos.

O Crucifixo tenho-o colocado na parede, junto da cabeceira. Dos livros, estou a ler o VIII volume de A Verdadeira Vida em Deus. Quanto mais leio, mais me apetece ler, mais reconheço que é uma extraordinária obra, que muito me tem ajudado...

Sobre o livro "A Verdadeira Vida em Deus nas Cadeias de Portugal", é extraordinário. Há colegas, noutras cadeias, com grande talento. Eu admiro, e cada vez vejo Deus mais perto de nós, apesar de termos errado... Eu gostaria de um dia, quando fosse embora, levar para minha casa todos os livros, embora já lidos, quem sabe se para os meus netos os lerem e, através deles, serem uns verdadeiros cristãos. (27.1.1997)




Irmã, eu, o melhor bocadinho que passo aqui dentro é quando vou à Missa e quando vou ao Terço: eu esqueço-me de que estou presa... Já vai fazer nove meses que estou aqui e Deus é que me ajuda, porque eu todos os dias peço a Ele (e peço muito!) para me dar força. O mais engraçado é que não tomo nada para os nervos: o único medicamento que eu tenho é rezar muito a Deus, e sinto-me bem...

Irmã, eu dependurei por cima da cabeceira da cama a Cruz. Decorei a minha cela com os posters e a minha cela está agora muito bonita. Sinto-me muito bem, agora, dentro da cela. Eu rezo todos os dias o Terço e também estou a ler o livro de Vassula A Verdadeira Vida em Deus...

Estou a adorar este livro, e a minha colega também.

Irmã, estou muito feliz por que a ... ia sempre à Missa e, como foi condenada em Junho, ficou muito triste e já não ia à Missa. Ora, quando eu cheguei com os posters, com os livros A Verdadeira Vida em Deus e a Cruz, ela gostou muito e eu contei-lhe que tinha cá estado com o senhor padre e eu estive muito tempo a falar com ela. E agora, ela vai sempre à Missa comigo e reza sempre o Terço comigo todos os dias. Eu dei-lhe a Nossa Senhora, para ela pôr ao pé da cama dela. A ... sente-se agora muito feliz e eu também... (8.12.1997)




Obrigado mais uma vez pelo empenho, pela força, pela coragem, pela dedicação e pelo amor que tendes oferecido aos Reclusos de Portugal. Só por Deus é que essa carinhosa força vos será dada: nem poderia vir de outro lado esse sopro que vos espalhou por todo o País, semeando a Palavra de Jesus por terras áridas.

... Apesar da minha ignorância, como já tenho afirmado, os escritos de Vassula não vieram, em nada, prejudicar a fé dos cristãos, mas antes, pelo contrário, pelo menos para os que eram simples católicos mas que no seu íntimo tinham até vergonha de se afirmarem, veio sim reforçar a sua Fé, com maior vivência e mais perfeição de vida religiosa.

Vassula deve ter muitos inimigos: o Santo Padre também os tem; Jesus também os teve e aliás toda a pessoa que diz a verdade, porque essa 'verdade' não agrada a todos por ser justa. E é por isso que só não tem inimigos quem nada vale.

Eu confesso que, a mim, me ajudaram muito (os escritos de Vassula): nunca mais me senti só, aqui, neste sofrimento, felizmente desconhecido para muitos; desde que comecei a ler os livros de Vassula, que vós me oferecestes.

Que Deus vos ajude tanto, como vós me ajudastes a mim. Por isso, em nome de todos os Reclusos deste Estabelecimento, aqui fica a minha gratidão. (20.5.1996)


Retorna à página principal