INÍCIO MENSAGENS

Voltar para: índice da pág. CDF


Vassula e o Cardeal Ratzinger

Aos 10 de julho de 2004, o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Ratzinger, enviou uma carta a alguns bispos, a respeito do parecer dessa Congregação sobre Vassula Rydén, que visitou alguns países nórdicos de 2 a 11 de outubro de 2004.

Uma pequena apresentação sobre Vassula para os que não a conhecem: Ela nasceu em 1942 no Egito, de pais gregos pertencentes à Igreja Ortodoxa Grega. Após ter-se casado com um sueco, e pertencendo às classes sociais mais altas, viajou pelo mundo. Ela não era uma cristã praticante. Em 1985, enquanto vivia em Bangladesh, encontrou Deus de um modo especial, início de uma profunda vida cristã. Jesus realmente entrou em sua vida e ela começou a escrever suas conversas diárias com ele. Ela ouve a voz de Jesus, mas o fato estranho nessa comunicação, que continua até hoje, é que Ele, ao mesmo tempo, guia a mão dela, isto é, escreve suas mensagens usando a mão de Vassula. Isso é visto muito claramente nos manuscritos que foram publicados. Vários teólogos renomados escreveram sobre essa forma de escrita, que, como fenômeno, difere em diversos pontos da chamada "escrita automática". Desde então, ela tem viajado pelo mundo e evangelizado com base em seus escritos, que têm o nome de "A Verdadeira Vida em Deus".

Aos 6 de outubro de 1995, a Congregação para a Doutrina da Fé emitiu uma Notificação em resposta a muitos bispos católicos e fiéis que haviam escrito pedindo orientação. A Congregação para a Doutrina da Fé, na época, decidiu aconselhar os fiéis a não considerarem os escritos de Vassula como sobrenaturais e questionou certas expressões dogmáticas contidas neles. A Notificação resultou em uma chuva de protestos por parte de renomados teólogos que estavam convencidos da autenticidade dos escritos.

Nos últimos dois anos, houve uma comunicação contínua entre a Congregação e Vassula, originando um documento dirigido a algumas conferências episcopais que haviam expressado especial preocupação quanto ao esclarecimento do parecer da Congregação sobre Vassula. O documento é assinado pelo próprio Cardeal Ratzinger. Ele menciona nessa carta que Vassula, em suas respostas à Congregação publicadas no último volume de A Verdadeira Vida em Deus, "forneceu úteis esclarecimentos a respeito de sua situação conjugal, bem como sobre algumas dificuldades que, na citada Notificação, haviam sido levantadas com relação aos seus escritos e à sua participação nos sacramentos".

Essa declaração parece um tanto lacônica, mas, com base na Notificação de 1995, significa que a Congregação está satisfeita com suas respostas e não mais possui reservas dogmáticas contra ela. Compreensivelmente, a Congregação se abstém de concluir se Vassula é verdadeiramente instrumento de Deus, preferindo deixar que cada bispo, padre ou fiel faça seu próprio julgamento. O documento diz somente que, se necessário, os bispos devem dar orientações para os grupos ecumênicos de oração que Vassula organiza.

Há um grande número de testemunhos de diferentes denominações e até mesmo de não-cristãos, indicando que pessoas atingiram uma fé real e profunda em Cristo, ao ler e ouvir Vassula. Jesus diz que as coisas espirituais devem ser julgadas por seus frutos. Não pode haver dúvida de que os frutos das atividades de Vassula são bons, mas cada um tem que discernir se ela é um dos instrumentos de Jesus na atualidade. Com base na breve carta do Cardeal Ratzinger, sem sombra de dúvida, um católico, com consciência tranqüila, agora pode considerar Vassula como enviada de Deus. Certamente, cada um é livre para não fazê-lo, mas não é mais possível rejeitá-la por questões dogmáticas. Para julgar as coisas espirituais é preciso ouvir o próprio coração. Em se tratando de aparições e profecias, liberdade e respeito pela opinião de cada um são imperativos.

20.10.2004
Pe. Lars Messerschmidt
Igreja Católica na Dinamarca