INÍCIO MENSAGENS
Vassula testemunha os encontros do
Papa João Paulo II e o Patriarca Teoctist na Romênia, em Maio de 1999


por Isabelle Gay


"O Meu ardente voto é que o Ocidente e o Leste se reencontrem. Preciso que estes dois pilares da Minha Igreja se reúnam e consolidem a Minha Igreja."
(Jesus a Vassula, 5 de Outubro de 1994)

Christus a Inviat! Christos Anesti!

Esta viagem à Romênia, organizada de forma tão inesperada e providencial, era um sinal de que Deus queria que Vassula estivesse presente para esta histórica visita do Papa João Paulo II ao seu irmão do Leste, Sua Beatitude o Patriarca Teoctist, o Patriarca da Igreja Ortodoxa da Romênia.

Eu estava acompanhando Vassula e estávamos ambos entre os convidados oficiais do Patriarca Teoctist, assim, nosso acesso privado para certos eventos foram muito facilitados.

Nós saímos de Genebra em direção à Bucareste na quarta-feira, 5 de Maio de 1999. Por muitos dias a temperatura lá mantinha-se nos 27ºC, por isso, ficamos bastante surpresos quando estávamos atterrisando e o piloto anunciou 7ºC em terra! Nós fomos recepcionados com chuvas torrenciais e ventos gelados de forte intensidade. Foi como se a natureza estivesse anunciando um evento feliz.

No entanto, na sexta-feira, 7 de Maio, o dia em que o Santo Padre chegou, o céu estava claro e permaneceu assim até a sua partida.

Naquele mesmo dia, por volta de 13:30h, o Papa e o Patriarca Teoctist eram esperados no patriarcado no centro de Bucareste. Situa-se numa colina, com vista para uma pequena mas muito bonita praça, cercada pela catedral e pelo palácio patriarcal.

Uma vez que tínhamos os passes, podíamos entrar após ter passado por uma completa revista policial.

O Santo Padre e o Patriarca, ambos vestidos de branco, chegaram no "papamóvel". Eles foram saudados entusiasticamente ao som dos sinos e maravilhosos hinos bizantinos.

Eles começaram rezando dentro da catedral e então cruzaram a praça e subiram alguns degraus até o pórtico do patriarcado de onde proferiram suas respectivas palestras.

Nós estávamos parados ao pé destes degraus, a três metros de distância do Papa e do Patriarca, de frente para os bispos, cardeais e metropolitanos que os acompanhavam.

Estávamos tão próximos do Papa que, em um momento após ter olhado em direção à multidão, seus olhos caíram sobre nós e, inclinando a cabeça, sorriu para Vassula, como se estivesse cumprimentando-a. Vassula teve a sensação de que ele a reconheceu. Após as suas palestras, o Papa e o Patriarca foram para o patriarcado e voltaram após alguns minutos. Eles foram seguidos pelo Metropolitano Daniel, braço direito do Patriarca; ele cumprimentou Vassula cordialmente do alto da escada. Ele estava acompanhado pelo Pe. Bria, ex-diretor da "Unidade e Renovação", departamento do Conselho Mundial das Igrejas (WCC), em Genebra, que organizou nossa viagem.

Vassula havia conhecido o Metropolitano Daniel e o Patriarca Teoctist em Iasi, na Romênia, em Maio de 1994, numa conferência organizada pelo WCC sob o título de "Espiritualidade Cristã em nosso Tempos". Vassula fora convidada para participar e foi acompanhada pelo Pe. O'Carroll.

Vassula havia sido convidada para apresentar a Mensagem e o pedido do Senhor para a unidade e a unificação das datas da Páscoa. O pedido foi considerado e uma das cinco recomendações finais da conferência foi que "uma nova iniciativa seja tomada acerca da comum celebração da Páscoa". Esta foi seguida de uma conferência em Aleppo, na Síria, em Março de 1997, convidando as Igrejas a concordarem com uma data comum para a celebração da Páscoa.

Esta idéia foi retomada em Washington, em Outubro de 1998, pela Conferência Teológica Católico-Ortodoxa Norte Americana. A recomendação deles era de que o princípio indicado pelo Concílio de Nicéia fosse seguido.

É interessante observar que a Igreja Luterana também está trabalhando nesta mesma linha. Ishmael Noko, secretário geral da Federação Mundial Luterana (LWF - Lutheran World Federation), solicitou aos 124 membros da LWF para estudar a proposta da Conferência de Allepo em 1997, para uma comum data de Páscoa.

Em uma entrevista em Genebra, o Reverendo Noko enfatizou a importância deste acordo:

"O que está em questão é mais do que uma data comum para a Páscoa, é a questão da unidade da Igreja a respeito de um evento que define a Igreja como o Corpo de Cristo.

O Corpo de Cristo está dividido por causa de cálculos matemáticos, mas a Ressurreição dos mortos dá-nos mais força para superar as limitações humanas. Uma data comum para a celebração da Páscoa seria um sinal visível da unidade".

Vassula, eu estou tentado a chamá-la de João Batista dos nossos tempos, através do carisma que lhe foi dado, mostra ao mundo o caminho para a unidade.

  Nós havíamos preparado dois dossiês, uma para o Papa e outro para o Patriarca, que continham algumas importantes mensagens selecionadas de A Verdadeira Vida em Deus sobre a unificação das datas da Páscoa e a reconciliação entre a Igreja do Oriente e a Igreja do Ocidente. Em certas passagens, foi colocado com ênfase que eles deveriam perceber a insistência e a urgência do chamado de Nosso Senhor para unificarem as datas da Páscoa.

(veja abaixo algumas mensagens)

Também foi incluída uma lista de todos os encontros de Vassula através do mundo, de 1988 a 1999 (algo em torno de 580 encontros) e uma bibiografia de A Verdadeira Vida em Deus de todos os idiomas disponíveis.


Nós estávamos curiosos por saber se Vassula iria conseguir alcançar a eles os dossiês, e falar-lhes algumas palavras a respeito de seu conteúdo. Mas não parecia possível naquele momento.

Como nós havíamos sido convidados para assistir a recepção oficial no Palácio do Patriarca no dia seguinte, sábado 9 de Maio de 1999, nós pensamos que ainda tínhamos chance. Nós chegamos por volta das 6h da tarde. Passamos pela checagem da segurança e fomos convidados a assentarmo-nos no anfiteatro do palácio. Parecia um pequeno requintado teatro, mas decorado com simplicidade.

Alguns minutos mais tarde, alguns bispos e cardeais que estavam acompanhando o Papa em sua viagem, como o Cardeal Sodano, Cassidy, Silvestrini etc., tomaram seus assentos, apenas a dois metros distantes de nós. Estávamos tentados a deixar que Vassula mesma se apresentasse, mas parecia mais apropriado deixar o Pe. Bria ou o Metropolita Daniel fazê-lo. Mas nenhum dos dois esteva lá no momento.

Antes de entrar no anfiteatro, o Santo Padre e o Patriarca foram recepcionados por um coral de crianças. Assim que eles entraram na sala houve um estrondoso aplauso seguido por um belíssimo hino de Ressurreição. Este hino foi entoado várias vezes durante aqueles três dias.

Após o discurso do Papa, que ele concluiu, batendo no púlpito, com estas palavras: "Esta é uma visita inesquecível", houve uma recepção e nós encontramo-nos sentados a um metro de distância do Santo Padre.


Recepção

No salão com várias mesas pequenas de buffet, duas poltronas e uma pequena mesa posta para dois tinha sido arranjada para o Papa e o Patriarca. O aspecto caloroso e aconchegante deste encontro foi certamente inesperado para o Papa e sua comitiva.

Nós planejamos dar o dossiê ao Papa assim que ele entrasse na sala, mas após o canto do Pai Nosso na língua Romena e a benção, algumas pessoas correram ao encontro do Papa, formando uma barreira na frente de Vassula. Este comportamento forçou o Papa e o Patriarca a deixarem a sala. Haviam obstáculos toda a vez que pensávamos estar alcançando o nosso objetivo...

Vassula, uma Ortodoxa entre os Ortodoxos, apoiada pela sua Igreja, foi testemunha deste encontro, e viu com seus próprios olhos a realização de certas profecias de Deus através das mensagens de A Verdadeira Vida em Deus:

"A Glória brilhará da margem do Leste. É por isso que Eu digo à Casa do Ocidente: Virai os vossos olhos para o Leste. Não choreis amargamente sobre a apostasia e a destruição da vossa casa. Não entreis em pânico, porque amanhã comereis e bebereis, juntos, com o Meu rebento da margem Leste: o Meu Espírito unir-vos-á.

.......na Minha Misericórdia, e por força do Meu Amor, Eu erguerei do Leste pelo menos um que dirá ao seu irmão (o irmão do Ocidente): 'Vem e caminha na minha terra, vem e come à minha mesa, vem e bebe comigo; os meus odres estão a transbordar de vinho novo; vamos, juntos, apascentar os nossos cordeiros e fazer um Éden, das nossas pastagens.'
(24 de Outubro, 1994)

A Minha coroa de glória ser-Me-á oferecida pelo Leste.

......Eu elevarei a Minha descendência da Casa do Leste, para fazer avançar a União e, por fim, todas as nações se reunirão sob um só Nome...
(7 de Dezembro, 1994)

Do Leste, Eu Próprio despacharei um coração generoso que, na sua lealdade, selará um pacto de paz com o Ocidente.

....Hoje, toda a amabilidade, por parte de Minhas criaturas, a fim de restaurar a Minha Casa vacilante, Me impressiona profundamente. Por qualquer passo que seja, dado no sentido da União, todo o Céu rejubila. Por qualquer oração que seja, oferecida pela restauração do Meu Corpo, a ira de Meu Pai diminui. Por qualquer reunião que seja, em Meu Nome, pela União, as Minhas bençãos são derramadas sobre todos quantos tomam parte nessas reuniões.
Os Meus Olhos vigiam aqueles que Me amam e que, apesar da sua imperfeição, executam os Meus fervorosos desejos.

(5 de Outubro, 1994)


Após a partida do Papa e do Patriarca, encontramos o embaixador da Romênia na Santa Sé, o qual Vassula havia conhecido em Roma, e o Pe. Galeriu, um padre ortodoxo com muita espiritualidade que apóia a A Verdadeira Vida em Deus na Romênia.

Na manhã de Domingo, 9 de Maio de 1999, nós nos dirigimos a uma enorme praça cercada de folhagens, onde assistimos a Divina Liturgia Ortodoxa presidida pelo Patriarca Teoctist, na presença do Santo Padre, na qual uma grande multidão estava participando.

Nós haviamos chegado com uma hora de antecedência para pegarmos um bom lugar. Nesta ocasião nós conhecemos um dos conselheiros do Patriarca, Padre Basil. Ele estava acompanhado pelo Pe. Bria e de sua esposa, e os três vieram e sentaram-se ao nosso lado. o Padre Basil morou em Lousanne e parecia contente em conversar conosco. Quando falei a ele sobre o carisma de Vassula, ele parecia aberto e interessado. Dei a ele um folheto sobre os Dons do Espírito Santo que eu trazia comigo e nos oferecemos a alcançar-lhe outros livros após a celebração. Como estávamos sentadas a bem poucos metros de distância isto foi fácil. Foi possível conversar com ele longamente. Como não entendíamos o idioma Romeno, ele foi muito atencioso durante a liturgia, comentando-a para ajudar-nos a entendê-la.

Na comunhão reparamos que um pequeno número de pessoas se encaminhou para recebê-La, predominantemente crianças. Somente o Patriarca A distribuiu.

Então, ao entardecer, numa vasta praça em frente ao Palácio de Ceaucescu, o Santo Padre celebrou uma Missa ante uma calorosa e entusiasmada multidão estimada em um milhão de pessoas, que tinham vindo de todas as partes da Romênia. O Patriarca também participou, juntamente com padres Ortodoxos e Católicos gregos. As músicas e orações elevaram-se aos céus com uma impressionante força interior. De uma maneira perfeita e bem organizada, cerca de uma centena de sacerdotes dispersaram-se entre a multidão para distribuir a Comunhão àqueles que desejavam recebê-La, tudo isto numa atmosfera fervorosa de oração e contemplação.

Quando a Missa terminou, a multidão começou a cartar vigorosamente:

UNITATE! UNITATE!

Com um jeito alegre, o Santo Padre concluiu: "Então depressa!"

Os três dias de visita do Papa correram sob uma atmosfera particularmente amigável, descontraída e festeira, sem muito protocolo. O Patriarca demonstrou grande atenção aos menores detalhes. Uma grande alegria e entendimento mútuo pode ser sentido.

Quanto aos dois dossiês, nós conseguimos, finalmente, entregá-los em boas mãos.

(veja acima)


  Da mensagem de 24 de Dezembro de 1989 - Véspera de Natal:

Queda da ditadura comunista da Romênia.

- Minha flor, Eu sou a Luz do mundo. Canta e sê feliz, canta de alegria, pois sou Eu, Jesus, que realizo estas maravilhas. A Minha Cruz será de novo elevada sobre todas as igrejas. Vês?

Aproxima-se uma paz universal; a Paz está em vias de nascer. Reza pelo nascimento da Paz e do Amor. Hoje, a terra sente as primeiras dores do parto. Minha bem-amada, são estes os Meus primeiros sinais de Amor.

Eu sou o Mestre do Céu e da terra; e, com o Meu Poder, demonstrarei a todas as nações que sou Omnipotente. Já disse que, com o Meu Sopro, destruirei todos aqueles que vos reduziram à escravidão. Que as vossas nações se dêem conta de que tudo está sujeito ao Meu Poder; e aquilo que fiz com um sopro é para Minha Glória. Homem algum poderá cancelar a Minha Lei. Que as nações compreendam que sou Eu, o Senhor, que venho libertar os prisioneiros do seu cárcere e elevá-los a Mim. Fui Eu que reduzi os vossos inimigos a uma vergonha eterna; e não é tudo: Eu assinarei uma aliança de Paz e de Amor com tua irmã, a Rússia; esquecerei os seus crimes e será de novo a Minha Esposa; e do seu coração sairá este cântico:

"Para sempre conservarei o meu amor por Ele, a minha aliança com Meu Deus manter-se-á."

A Minha Alma está sedenta desse glorioso momento. Pretendo mostrar o Meu esplendor e a Minha glória a cada nação que vive debaixo deste céu, através da tua irmã, a Rússia.

Eu revesti-la-ei da Minha Beleza e da Minha Integridade e apresentá-la-ei com altivez aos teus irmãos (o Senhor, aqui. refere-Se aos católicos romanos), para que, através dela e nela, possam ver a Minha Beleza e Integridade. Minha filha, as núpcias da conversão de tua irmã virão bem depressa. Eu já disse que sou Aquele que desce, na miséria da vossa era, para consolar os oprimidos e libertar os seus prisioneiros das prisões e aqueles que vivem na escuridão dos calabouços.

Sou Eu, o vosso Salvador, que vos venho libertar das fauces do dragão vermelho.

Sou Eu, o vosso Jesus, Minhas pombas, que venho destruir as vossas jaulas e libertar-vos.

Sou Eu, o vosso Santo, que jamais vos abandonou; e, em verdade, vos digo que as vossas portas (as portas dos corações da nação romena) Me não serão fechadas.

Vassula, eu lançarei no descrédito e na humilhação todos esses poderes do mal, esses poderes que abateram a Minha Casa e fizeram d'Ela campas escancaradas.

A Minha Luz ressuscitará a tua irmã, a Rússia e todos os países, seu vizinhos. Eu despedaçarei todas as vossas prisões e libertar-vos-ei. Fica sabendo que a salvação e a libertação vêm só de Mim. Reza pela tua irmã; reza pelos seus vizinhos.

- Meu Senhor, Vós dissestes; "Ai daquele que acumula o bem alheio! Ai daquele que acumula sobre si o peso da dívida! Porventura, não se levantarão de repente os teus credores, e não surgirão os teus exatores? Serás presa deles" (Hab 2,6-7). Ora, foi justamente aquilo que aconteceu a Romênia; mas inocentes pagaram com o seu sangue.

- Está certa de que todos os santos mártires da tua época estão Comigo, vítimas que foram do furor de Satanás. Tenho Comigo todos aqueles que morreram como vítimas. Confirmo-te que o furor de Satanás era tal que, ao saber que iria perder o seu poder, tinha a intenção de aniquilar cada uma das Minhas flores.

(Do Alto, Jesus olhava, então, para a Romênia.)

- Não chores mais, pequena (Jesus fala à Romênia), uma vez que Eu, o Senhor, restaurarei as tuas ruínas e multiplicar-te-ei, para dares testemunho do Meu Nome. Far-te-ei ver grandes coisas sob o Meu Nome.

Finalmente, livre! Livre de vires a Mim, teu Salvador, e de viveres no Meu Sagrado Coração.

Perseguirei, com a Minha Luz, os teus inimigos, que aliás são também os Meus inimigos. Não chores pelos teus filhos que já não existem, pois Eu Mesmo te anuncio hoje que pus cada um deles nas profundezas do Meu Coração.

- Abençoado seja Nosso Senhor,
o Deus de Misericórdia,
porque visitou o Seu povo!
Ele Mesmo veio em seu auxílio;
veio trazer a Luz, aos que vivem
nas trevas e na sombra da morte;
Glória Àqueíe que vem guiar
os nossos passos no caminho da Paz e do Amor.
Amém.



...Até agora, não tenho feito pressão sobre vós. Tenho-vos suplicado que unifiqueis as datas da Páscoa, mas vós não ouvis o Meu Espírito;

Vós tendes-vos aproveitado da paciência de Meu Pai. Desta vez, ainda vos peço que unifiqueis as datas da Páscoa, a fim de que o Meu Espírito brilhe em vós pela graça e Eu possa levar a Minha Casa a ser uma só.

Hoje, falo-vos, mas vós não tendes em conta as Minhas palavras, nestas Mensagens. Quando vós um dia o quiserdes, será já demasiado tarde...

Ah! Se apenas um destes homens que trabalham pela União, se um só deles não cedesse às suas paixões, aos seus medos, e avançasse, unificando as datas da Páscoa, Eu, Deus, Eu Mesmo o exaltaria.

Por isso, Eu imploro-te, Casa do Ocidente, que te atires para a frente e que desmascares o Maligno, unificando as datas da Páscoa, como na Igreja primitiva.
(27 de Novembro, 1996)

...reza para que a casa de Leste e a do Oeste se unam juntamente, como duas mãos que se unem em oração, como um par de mãos, semelhantes, e cheias de beleza, sempre que se unem, dirigidas para o Céu, quando estão em oração. Que essas duas mãos, pertencentes ao mesmo corpo, se abram juntamente e partilhem a sua capacidade e os seus recursos uma com a outra... Que juntas, essas duas Mãos Me elevem... Ah! Quando é que essas duas Mãos de Meu Corpo Me irão elevar sobre o Altar, segurando-Me, juntas?
(15 de Junho, 1995)

...agora, vai ao encontro do teu irmão e uni as datas da Páscoa. Então, Eu Mesmo vos farei o dom do amor e restaurarei a vossa vista. Eu não quero que vós pereçais na vossa própria loucura. De facto, é dupla a Minha angústia, são duplos os Meus gemidos. Agora, vai aliviar o Meu sofrimento, irmão. Vai glorificar-Me, unindo as datas da Páscoa.
(7 de Dezembro, 1994)

Não ouvistes que Eu Mesmo lhes estabeleci uma data?
(24 de Outubro, 1994)

Quão gloriosos vós éreis, nos dias de outrora! Vinde reconstruir a Minha Casa numa só, unificando as datas da Páscoa...
(5 de Outubro, 1994)



retorna à página principal